sábado, 23 de julho de 2016

Diário Médico: Receita Médica







Quando os olhos e ouvidos são atentos; algumas receitas tornam - se especiais.

Aos 77 anos, entrou em meu consultório uma senhora de pele queimada pelo sol, dedos longilíneos, encurvada e sorridente. Desejei bom dia logo a porta de entrada e convidei que se sentasse. Como era o nosso primeiro encontro, quis saber sua idade e o motivo que levara a consultar-se. Um pouco acanhada, tirou da sacola plástica dois remédios e me entregou. Olhei, para a folha que continha a sua assinatura, procurando rapidamente por sua idade e nome assinado. Ali, tinha a digital de seu polegar, carimbada. Perguntei com quem ela morava,"só com Deus, Doutora! Eu e Ele". Sorri. Senti um nó na garganta, porque ainda soube que aos 77 anos a minha paciente trabalha em lavoura cafeeira. Mantive a conversa. Quis saber se alguém separava a medicação para ela, preocupada em como ela estava tomando, se os horários eram certos. Ela me disse, timidamente que, os identificava pela cor e tamanho. "Sei ler, não... Não tive nem a quarta série". Segurei a cartela de comprimido laranjado e pedi que me dissesse o horário de uso. "Ah. esse é de dia". Uma outra pontada em meu peito. Aquele deveria estar sendo usado à noite impreterivelmente. Então, tive uma ideia. Pedi licença e sai. Fui até a sala da enfermagem a procura de esparadrapo. Voltei rapidamente ao consultório. A senhora continuava sentada, magra, encurvada, com um olhar de quem não entendia o que estava acontecendo. Passei as mãos em suas costas, ao dar a volta para me sentar na cadeira à sua frente. "Pronto! Tive uma ideia para te ajudar!". "Mais o que é, minha filha?". Neste momento ela sorria. Então, expliquei que, para o remédio do dia eu desenharia um sol no esparadrapo e o colaria em sua medicação e que o desenho da estrela com a lua era para o remédio da noite, que dessa forma não haveria erro e facilitaria o uso. Neste instante, ela se iluminou, ficou mexendo em seu assento, inquieta, me abençoando. "Como a doutora pensou nisso assim?". "Ninguém tinha feito isso antes, minha filha.". "Deus te proteja. Eu já vou indo, porque tem muita gente lá fora te esperando. Mas estou feliz." 

Penso: Feliz, Dona Maria, fiquei eu. Mais que feliz, senti-me realizada, porque eu escutei seus sinais. Eu que a abençoo, porque nesta simplicidade aprendo a ser melhor.

Digo a ela: Vai com Deus, Dona Maria.

Ouço: Fica com ele, minha filha. 



terça-feira, 26 de abril de 2016

Amor perfeito



O amor não é sobre quem vem primeiro ou quem vem por último. É sobre quem vem e nunca vai embora.


Um pedaço do meu coração cantou esta manhã ao acordar, por saber que é o seu aniversário, Ju. Lá de dentro, a alma assobiou; Assim como, a outra metade (tão proporcional neste instante) do mesmo coração foi desassossegada. Em analogia, quase como uma ventania em dia de verão: primeiro você se torna aliviado por aquele vento ter chegado e refrescado sua tarde; mas também torna-se preocupado por o mesmo vento está a levantar poeira demais (e talvez peça, intuitivamente, para Deus, Anjos, Alá e Orixás para te proteger do que possa vir). Hoje, pela primeira vez em seu aniversário, eu passei "sozinha". Talvez por esse motivo, na noite em que precedeu a data tive insonia - e por diversas vezes coloquei a culpa no calor ou no barulho. Modo mais fácil de pensar no motivo real de minha inquietude, única:


A Saudade.


Hoje, eu já sou a mais velha de nós dois. Você tornou o meu caçula e nunca terá alguns fios de cabelo branco na têmpora (ao contrário de mim que encontrei uns dois ou três fios na fronte). Hoje, eu olhei diversas vezes para o céu e imaginei que daí você me abraça (nunca no passado, porque quando amamos a presença espiritual torna-se muito presente). Em pensamento fiz seu bolo de aniversário e te comprei um belo presente. Também deitei ao seu lado, te acordando com um beijo no ombro, porque eu fazia isso. Em meu pensamento, entre um paciente e outro, conversamos. Eu sorri a maior parte do dia e imaginei você parado na porta me olhando como neste sorriso bonito da foto: alvo.


Hoje, como poucas vezes me aconteceu, as palavras vindas de meu coração, não foram parar na ponta de meus dedos, pararam em minha garganta de uma forma que dói e as letras insistiram em descer em formas de lágrimas. Isso tudo porque é o seu aniversário, meu amor, meu irmão. E como comecei, termino: o amor não é sobre quem vem primeiro ou quem vem por último. É sobre quem vem e nunca vai embora. E neste amor, você carrega o meu coração.

Moon of the Day