quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

As nossas cicatrizes, todas, poderiam ser fechadas com látex



Há exatos cinco anos, nesta data em que se misturam aos inícios das belas comemorações de passagem, perdi você. A última palavra que lembro de termos nos falado até altas horas foi o "boa noite" com gosto de creme dental e o som simpático de seu sorriso, encontrando os meus que diziam os mesmos desejos: de uma noite tranquila e agradável, de um dia posterior de bela manhã... De fato, creio que ele dormiu bem e teve um bom dia. Porém, pensando melhor, se eu pudesse prever, não o teria deixado sair de casa na noite do dia seguinte. Teria feito de mim a sua concha. Perder alguém cedo é passar a conjugar muito mais o futuro do pretérito.

Lembro-me dos seus encantadores olhos azuis turquesa, do seu sorriso alvo e da sua paz interior; embora, sempre hiperativo com seu skate sob os pés nas horas vagas. Não há um dia em que não olhe as mãos de nosso pai e não veja as sua. Você, sempre alterando ordens. Mas dessa vez, não teve graça. Eu ainda o queria na Terra como meu irmão mais velho, protetor, ciumento, guardião, amigo. E sem precisar apostar digo, a Lo, nossa irmã, queria ter você ainda como o segundo irmão dela, aquele que não a fez ser a criança que só tinha amigos imaginários, o Daniel, nosso caçula, muito provável gostaria de ter saído contigo à noite e os nossos pais, ah, estes nem preciso dizer, o quão sentidos ficaram por você ter alterado a ordem dos fatores... Não sei onde está escrito que os filhos são que devem enterrar os pais... Mas agora compreendo muito bem o valor dessas palavras.

Hoje, eu não sei se sorrio ou se choro. Muito provável farei ambos. Como agora... Eu só queria te dizer, Juninho, que nesta data, em retrospectiva, eu tive a pior notícia da minha vida, de uma forma injusta você partiu. Porém da dor ficaram as lembranças, que embora nos façam rir, vem também com certa nostalgia, em palavras mudas e olhos que brilham (pelas lágrimas e saudade).

Você me ensinou amar a arte. Em acreditar nas várias possibilidades diárias e que pessoas boas se cruzam todos os dias. Sinto saudade da sua bagunça espelhada pela casa. Sinto falta dos nossos Natais. De seus olhos brilhantes de emoção e agradecidos. Dos nossos momentos e até mesmo das nossas pequeninas discussões, onde você quase sempre tinha razão. Nessa data passa-me um filme na memória.

Perder quem amamos é tão ruim. É a falta da voz, do cheiro, dos abraços, do suor. A casa fica grande demais. E em tudo que se olha, lá está um pedaço da pessoa a qual não queremos que partisse. Aliás, este pedaço a que me refiro não é material: você passa olhar tudo com os olhos da alma. Você se pega refletindo na pessoa sem saber por qual motivo seu pensamento te traiu e chegou ali. Às vezes dori (e muito). Outras, vem junto com a dor, a leveza. E os sentimentos se misturam. Você abana a cabeça, como que se dessa forma fosse plenamente possível desfazer o pensamento... Mas não! Este tipo de recordação as pessoas simplesmente terão que aprender a conviver e a trapaceá-la. Pois a lembrança surge... E não escolhe hora nem lugar.

Amar é estar sujeito a aprender também a abrir mão. Aprender que pessoas não são imortais, que certas partidas não duram algumas horas, uma pôr-do-sol, um mês... Como também, mesmo que se deseje (em demasia) guardá-las por proteção, não há como encerrá-las em lugares totalmente seguros.

Meu irmão passou como um cometa nessa Terrinha: brilhou muito mas em pouco tempo. Porém, quem consegue apagar da memória o brilho de um astro? Quando vejo arco-íris, sorrio. É a nossa ponte. Aonde estou, paro e converso comigo mesma. Converso contigo, então. Você que admirava esse encontro da natureza e me contava histórias sobre. De certa forma nesses momentos seu abraço e sopro de vida chegam até mim.

Por isso amem! E digam que amam! Valorizem as pessoas que estão a sua volta! Sorriam ao inusitado, ao desconhecido. Tenham e somente guardem boas recordações. Não se desfaçam de um pedido de desculpa, atendam as ligações ou ao menos as retorne! Mandem cartas, escrevam no final dos cadernos e nas anotações de alguém dizendo que você o adora. Isso faz bem a alma, diminuem as dores e é saudável. Não tenham medo de parecerem tolos aos olhos dos que somente passam pela vida. A nossa travessia é bastante importante. Não a deixe ser intermitente. “Viver carece de ter coragem”.

Dedicado a Jorge Luiz Saar Armond Junior - Juninho

26/04/1980
04/12/2003

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Boas Coisas


"...havia pois chegada a época em que os rapazes começam a notar que o seu coração palpita mais forte e mais apressado, em certas ocasiões, quando se encontra com certa pessoa, com quem sem saber por que, se sonha umas poucas noites seguidas, e cujo nome se acode continuamente a fazer cócegas nos lábios..."

.
.
.
Por hora é só!

=]

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Desfeita Perfeita


"Como seria bom se pudessemos colocar a dor em um envelope e devolvê-lo ao remetente."

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Deslizes


Ontem... Que desastre! Como se não bastasse essa chuva que cisma em cair incessantemente... torci o pé... quase que caio da escada sem poder cair...Três da tarde, chuva forte pra danar... a campainha tocou e eu sai para atender. Era o carteiro... antes que eu o visse , ele ja estava dentro do carro, falando: " fecha a porta! Por causa dos cachorros..." Sorri... Pensei: "Branquinha e Minus, todo mundo tem medo deles..." mas respondi: " estão lá em baixo... não vão subir aqui, não " Então, ele desceu do carro e tirou da van duas caixas. Porém, nesse exato momento, não sei o que eu arrumei... escorreguei... Assim!?! Do nada??? Do nada mesmo... nem deu tempo para dizer ái! Também não deu tempo para andar e muito menos sair do lugar... E o homem de calça azul e blusa amarela me entrega duas caixas... uma enorme e a outra média, escritas "frágil". Agradeci, assinei "com nome todo, por favor" e virei. Subi mais quatro degraus... Como isso dói... e ninguém para me ajudar... Cheguei na entrada, chovendo em cima de mim, e eu simplesmente não conseguia sair do lugar... Era só dar mais alguns seis passos, no máximo! Mas quem disse que eu queria (ou conseguia?) sair do lugar. Entretanto, as caixas eram de papelão .. Sedex... Comecei a andar devagarinho até que cheguei à sala. Coloquei as caixas no chão... Senti minha testa suando... Lembrei de um amigo que havia torcido o pé em julho, e por isso acabamos parando na policlínica... agora sim entendo a dor... não que não houvesse entendido! Mas, não havia sentido. E daí, sentir à entender é uma grande diferença! Lembrei que a Loriel, minha irmã, havia trazido para casa uma bolsa de gel pra essas ocasiões... ela tão, sempre, prevenida! Fui pulando com um pé até a cozinha... estava ali, no congelador... voltei do mesmo modo. Sentei no chão, no meio da sala, pus a bolsa no meu tornozelo que latejava até minha alma! Sem exageros! Resolvi, então deitar. Queria que alguém estivesse ali. Juro! O melhor seria gritar "oh mainhê!" porque esse nomezinho sempre é o primeiro que lembramos de dizer na hora do apuros! Mas ela também não estava em casa. E meu pai ia demorar muito a chegar... ainda 15:36... Já estava deitada mesmo no meio da sala, resolvi ficar por ali, com a mão direita sobre a testa... Foi nesse momento que percebi lágrimas escorrendo (e muito!) na minha face. Fiquei ouvindo minha própria respiração e não sabia porque estava chorando. Imaginei o rosto vermelho, os olhos inchados... Um pé? Uma dor? Um afeto? Saudade? Lembrança? Não sei... sinceramente dessa vez eu não sabia mesmo. Fiquei ali deitada por algum tempo, impreciso, entretanto divino! Foi como se eu estivesse lavando minha alma... tirando algum peso da minha garganta. Depois, acabou... No fundo, torce o pé foi a melhor escolha!

sábado, 1 de novembro de 2008

A Primeira Vista


Eu tinha 13 anos. Ele 19. Eu estava sempre no mesmo lugar conversando com amigos. Ele passava por lá várias vezes. Eu nunca notei sua passagem. Ele sempre me enxergava. Eu era só uma menina. Ele me viu assim e quis cuidar de mim. Quis me colocar em seus braços e me proteger de um mundo que eu estava começando a conhecer. Ele queria montar um mundo só pra mim. Eu era só uma menina. Eu não enxeguei sua poesia logo de cara. Suas atitudes e intenções. Sempre escutei que seria a mulher mais feliz do mundo ao lado dele. Mas eu era só uma menina. Ele fez de tudo. Ele tentou pouco. Ele tinha as palavras mais belas. Ele se relacionou com outras pessoas porque eu não o enxergava como ele queria. Eu amo Girassol. Ele me deu uma flor mais especial e que não era a minha preferida. Ele se dizia feliz quando eu estava por perto. Eu apenas conseguia sorrir. Ele ganhou só um beijo meu. Eu ganhei carinho a mais. Ele sumiu. Ontem eu o reecontrei. E 10 anos depois...os sentimentos não mudaram. Ele virou ator. Eu não tenho mais 13 anos. Ele tem namorada. Eu tenho o meu gaúcho. Ele me convidou a sentar na mesa dele. Eu aceitei. Ele queria saber por quê ficamos daquele jeito. Eu não soube responder. Ele está escrevendo um livro. Eu sou um capítulo dele. Ele nunca me esqueceu. Eu nunca deixei ele me fazer a mais feliz do mundo. Ele disse “Eu Te Amo”. Eu só abaixei a cabeça. Ele segurou as minhas mãos. Eu estava tremendo. Ele disse palavras lindas. Eu fiquei tensa. Ele disse que inveja o meu melhor amigo. Meu melhor amigo disse que realmente é sortudo por sempre estar ao meu lado. Ele disse que eu tinha que ler “O Pequeno Príncipe. Eu rí e disse que era o meu livro preferido. Ele não conseguia parar de me olhar. Eu não conseguia sair dalí. Ele disse que ainda queria largar tudo e me fazer a mulher mais feliz do mundo. Eu disse que já tinha se passado 10 anos. Ele me via com olhos carinhosos. Eu me sentia envergonhada. Ele insistiu com meu melhor amigo que talvez pudessemos fazer uma outra história nossa. Meu melhor amigo não concordou diretamente. Ele mais uma vez disse que queria ter esse contato diário comigo. Meu melhor amigo disse que era engraçado e que ele já estava garantindo um lugar ao céu! Ele me deu um abraço. Eu me senti protegida. Ele pediu pra cuidar de mim. Eu disse que as coisas não são tão fáceis. Ele recitou um poema feito pra mim. Eu consegui tomar uma atitude e o abracei fortemente. Ele veio me deixar em casa. Eu não tinha certeza se queria entrar na portaria. Ele segurou minhas mãos. Eu agradeci por ele ter me feito a mulher mais feliz do mundo naquele instante.Ele não entendeu e riu. Eu disse que por todos os carinhos, atenção, dedicação e lembranças, como não seria a mulher mais feliz do mundo?! Ele mais uma vez me deu um abraço. Eu pedi pra não mais passar 10 anos. Ele disse que voltaria. Eu acreditei.

Romance Ideal:
Ela é só uma menina
E eu pagando pelos erros
que eu nem sei se cometi
Ela é só uma menina
E eu deixando que ela faça
o que bem quiser de mim
Se eu queria enlouquecer
essa é a minha chance
É tudo que eu quis
e eu queria enlouquecer
Esse é o romance ideal
Não pedi que ela ficasse
Ela sabe que na volta
Ainda vou estar aqui
Ela é só uma menina
E eu pagando pelos erros
Que eu nem sei se cometi
Se eu queria enlouquecer essa é a minha chance
É tudo que eu quis
Se eu queria enlouquecer
Esse é o romance ideal

**Essa é uma dúvida que a gente não sabe quando irá terminar. E nem se vai terminar.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Incertezas e Devaneios


Quero entender porque fugi, porque aceitei um beijo amargo e um abraço tão frio sem ter dito uma palavra, apenas aceitado e ter ido embora.Fui. Mais não me sentia bem, eu não me sentia, só existia...
Pensava que estava bem, confiava nisso sem perceber que não passava de um objeto. As vezes penso que me enganei quando te encontrei, outras vezes, acho que foi a melhor coisa que me aconteceu...
Sinto saudade! Dói muito. Mas estou conseguindo disfarçar, muito embora tenha sempre lágrimas nos olhos. Desde aquele dia o tempo passou muito rápido e além de lhe esperar eu não fiz mais nada. Meus dias agora são de espera, lembranças, minhas palavras travam na garganta e minhas lágrimas caem continuamente e tudo o que eu peço nessa hora é alguem que me abrace, que me escute, mesmo que eu esteja calada...
E é aí que a dor aumenta, é aí que que enfraqueço, é quando eu tenho vontade de fugir, é quando eu tenho vontade de ter você perto de mim, é quando eu penso no dia que vou lhe encontrar outra vez, quando penso no tempo que lhe espero...Se eu soubesse que passaria tanto tempo sem lhe vêr, daria um segundo abraço, só que desta vez bem mais forte... Corrigiria também o beijo e lhe chamaria pra mais outro...
Se eu soubesse que passaria tanto tempo sem lhe vêr, teria sido bem mais intensa ao invés de ter simplesmente aceitado um abraço frio, um beijo amargo e ter ido embora.Mas infelizmente eu não sabia...

.

P.S.: Um texto antigo... Sentimentos vividos... Caderninho Verde...
"-Escrevemos juntas...tudo aquilo que os olhares nunca se atreveram a dizer...."

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Lembranças - Parte II

Deveria ter sido postado no dia 13, porém, tantos foram os sentimentos e em tão grande intensidade que somente hoje consegui:

Certo, hoje, a vó Altina, finalmente embarcou no trem que ela tanto falava. Hoje, ela não chegou à estação atrasada e o maquinista deve ter sido meu avô Raimundo, o marido dela, o Müller, como ela costumava dizer.
O trem veio silencioso, bem de manhãzinha, às 6:30 em ponto. Aposto que no mesmo vagão ela reencontrou quem não via há muito. E ficou feliz também, pois pôde abraçá-los. E o meu avô, o maquinista, finalmente reencontrou a sua mais ilustre passageira.

.

A vó tinha todo seu jeitinho especial. Com ela crescemos e passamos, todos os filhos (incluindo genros e noras), netos (e posteriormente bisnetos), as férias inteiras, prolongadíssimas, todos os anos e os Natais. E ela gostava daquela sensação de casa cheia, lembrando o interior, pois o apartamento ficava pequeno... E ela sorria, e nunca reclamava das nossas bagunças! Como também nunca reclamava das várias e várias jarras desaparecidas e encontradas no balaio alguns caquinhos ou dos vários chuveiros que ela era obrigada a repor em uma única férias, por conta dos netos que adoravam tomar banho em trupe na banheira da carijós, e não sei por que e nem como toda vez um queimava o chuveiro... E na hora de sair da banheira, coisa da tia Leda (que se encontra com a vovó) esperava na porta, "em fila", e uma chinelada na bunda dos que iam passando... "porque eu avisei que nao pode tomar banho esse tanto de gente junta... E daqui a pouco todos pro banheiro de novo, mas agora, um por um, porque vcs ainda estão sujos e com sabão!"

Um dia, ela pos a Bidu e eu para dormirmos na cama dela enquanto a vó passaria a noite dormindo no sofá! Ela não tinha deixado nós irmos para o forró, e como havia uma desconfiança que "essas meninas vão sair de madrugada, é melhor colocá-las comigo pois aqui todo mundo dorme, e enquanto vocês estão indo com o fubá eu ja voltei com a broa..." e nós passamos a noite inteira na cama da vó! Mas mesmo brava ela sempre sorria... Aliás, corrijindo: ela so perdia um pouquinho da paciência comigo e com a Bi! De resto, ela sempre sorria! E nós adorávamos ouvir as histórias que ela nos contava... Sempre fazendo pausas para cheirar rapé "pois isso é que deu fim a minha sinusite" e acrescentando: é o que também viciou a maioria dos filhos, netos, genros, noras, namorados e agregados...

Ela estava serena, como se tivesse dormindo... e que dali a pouco iria acordar e pegar seu crochet e ligar o rádio e sentar na cama e ficar conosco... Quando anoiteceu, e a família toda estava reunida (lembrando os velhos festejos) a lua estava cheia e haviam várias estrelas sobre nós... A noite estava plausivelmente agradável... Fora esse sentimento de perda, de um vazio interior, meio sem limite que invadia a todos... Pois mesmo sabendo que com 93 anos ja se viveu bastante, não queríamos deixá-la partir, também. Além disso a casa ficara tão grande e o quarto dela (onde nós mais costumávamos ficar, na cama, no sofá, em pé, sentados no chão...) ficara pequeno demais pra todos nós. Conquanto, seu sorriso, seu carinho, paciência, educação, sabedoria foram passados a nós... Em sua bela imagem, e cada um que a teve por perto, guardou para si grandes momentos...

E naquela noite eu pensei muito em uma frase de Guimarães Rosa:

"As pessoas não morrem, ficam encantadas!"

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Lembranças


Sei, sei... Já faz um tempinho que não venho aqui depositar minhas caretices. Peço desculpas a quem gostava de ler qdo não tinha nada pra fazer...ficou mais a toa ainda nos últimos dias.
Não é que não tinha algo pra colocar aqui. Sempre tenho. Acontecia das palavras se desconhecerem e eu não conseguia sincronizá-las.Culpa dos meus neurônios fadigados? Muito provável que sim. E garanto que agora não sairá nada mais que algumas palavrinhas. Sei lá se vou conseguir falar dos dias que ocorreram.
Mais uma vez tenho que me despedir de alguém. A última vez vcs se lembram, foi há pouco tempo. Agora,minha vó. Essa mesma. A que eu morava com ela. 15 anos juntas. Porém foi uma despedida linda. Tirando seu sofrimento nas últimas 10 horas de vida, ela tava linda na urna ( que ainda foi escolhida por mim!). Com aquela aparência de "Tô indo feliz".Pronto. Nada mais a se dizer. Eu já sabia que ela ia embora por esse mês. Sabia até do motivo. Não me pergunte como eu sabia. Porém consegui preparar minha cabeça, mas não meu coração. Porra nenhuma. A gente não consegue se preparar pra isso. Me deixou mais aflita. Dia 30 de setembro pra 1° de outubro eu já comecei a pirar. Chorei algumas vezes escondida sim. Sabia que estava próximo dela partir, e eu não poderia fazer nada. Estava de pés e mãos atados. Estava nas mãos de Deus. E Ele queria levá-la agora. A casa está estranha. Ela não tá aqui pra brigar com a gente pq não quer comer. Não tá pra fazer as mesmas perguntas 5 vezes seguidas, vitima de seu DNA ( data de nascimento avançada, 93 anos). Mas seu cheirinho fica. O Toquinho tb está triste e chora de noite. Quem não gostava de ver aquela senhora sentada em sua cama fazendo crochê? Contando historias de sua infância?
Confesso que ela era muito braba! Vááááárias vezes não me deixou sair e eu ficava fula da vida. Era conhecida entre meus amigos de adolescência de "Vovó General". Marcava hora pra chegar em casa. Cedo. Obrigando eu e Lari a atrasar os relógios. E tb a dormir no banheiro pq queríamos ficar conversando noite a fora e todos os cômodos da casa estavam ocupados. Essa noite vó quase teve um treco de tão nervosa que ficou com a gente. Já jogou água benta em nós duas, pq tb estávamos na sala de madrugada rindo alto não-sei-sobre-o-quê-pra-variar e ainda saiu rezando o Credo.Qdo a farra na rua tava boa, ligávamos pra ela as 5 da manhã pra dizer que chegaríamos as 7 e se queria que levassemos o pão.Descobrimos que ela acordava as 4:30 da manhã pra fazer o café qdo chegamos em casa nesse horário, pulamos na cama e fingimos que dormiamos.Ela, claro não caiu nessa. Escutamos os xingos até o raiar do Sol. E foi ai que desenvolvemos o plano de: chegar antes do café ou bem depois com o pão.
Qdo pequenas, quebramos um vaso dela, escondemos no fundo do baú de roupas pra lavar e os caquinhos foram parar debaixo da cama. Nunca confessamos que fomos nós. Nem precisava.Ela conhecia as netas que tinha. Foram inumeras vezes que tentamos passar ela pra trás em questão de bagunça, horários e farras. Quase nunca funcionou. Ela era esperta por demais. Ela sim passava a gente pra trás..rsrs... Ahhh lemrando dessas e outras coisas é que me vem a certeza na cabeça: ela está realmente descansando! Criou filhos e netos, e conheceu os bisnetos. Fora as férias, que reunia a maioria dos netos e ela ficava de cabelo em pé! Super guerreira!

Foi embora com ajuda de uma enfermeira. Colocando sua sonda de alimentação no pulmão ao invéz de colocar no estômago. Sim! Uma enfermeira da Unimed fez isso com ela! Mas tudo bem. Deus sabe o que faz. E por incrivel que pareça, paramos de sentir a presença da tia Lêda em casa. Mostrando que ela só estava esperando pela vó.

Lembram da história de "mudos em momentos fúnebres''??<http://umlugarchamadomarte.blogspot.com/2008/09/muito-obrigada-agora-pode-irse-quiser.html> Que bom que dessa vez a maioria só me abraçou. E gente, como eu rí no dia do velório! Uma sobrinha da minha vózinha é muito engraçada! E ela tb não gosta de pêsames. Mas perai, antes que vcs nos julguem, era de madrugada (sim, passamos a noite velando no cemitério), só tinha familia alí. Ela contava piadas horrooores! Eu me senti tão aliviada! No fundo até a vó tava se divertindo! Não é que somos insensiveis, que não estamos sofrendo com a partida dela. É sim um jeito que aprendemos a lidar com a dor. Cada um sabe onde o seu sapato aperta. Pra nós, sempre evitamos ao máximo chorar no funeral.Mas confesso que a pior parte é qdo acontece o enterro.Alí não há DG que me faça rir.

Então, nada mais a ser dito né?! Fica com Deus minha Linda, obrigada por tudo que vc fez por mim! Te amo pra sempre!

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Dando um tempo de você


Decidir me dar um tempo. Há dias tu não ta me fazendo bem e eu só enrolando o qdo te afastaria de mim. Já não tenho outros pensamentos pq tu não deixa. Qdo tem sol, tu me persegue. Qdo tem chuva tb não me deixa ficar em cs. Tudo bem que tu sempre me alimenta..Mas adianta de quê se depois quer que eu devolva? Oq quer de mim afinal de contas? Acabar com meus ultimos neuronios? Cerveja querida, agora não tenho mais tempo pra ti. Isso foi decidido. Assim como decidi daquela vez. Eu sei que acabo voltando para teus prazeres glaciais no verão. Mas eu preciso me livrar de ti por um tempinho sim. E dessa vez eu tenho companhia! Daniel vai me apoiar assim como irei apoiá-lo.Sabe qto vc nos custa no fim do mês? Poderia viajar e muito se tu não existisse!
Quero descobrir outros prazeres! Quero saber como uma coca cola gelada faz diferença. Quero que ela seja a ultima do deserto a cada gole. Assim como faço com vc.
Depois de não me lembrar de algumas coisas ocorridas no ultimo fim de semana, ví que vc anda ficando mais inteligente pq estás roubando os ultimos neurônios que tenho. Sinceramente, fiquei chocada qdo,ontem, Daniel veio comentar dos acontecimentos de fim de semana e eu não lembrava de absolutamente nada sobre o tal assunto! Ironico, estávamos no bar com sua conspícua presença e essas revelações foram feitas. Olhei pra vc no mesmo instante. Alí vc começou a ser julgada. Foi pra berlinda mesmo. Vim embora até mais cedo do bar pra não ter que te ingerir mais. E vc roubar mais ainda meus neurônios e eu acordar hoje com o resultado do teu prazer: uma tremenda ressaca.
Fico por aqui, confirmando o tempo que darei a mim..sem você. Que vc seja feliz em outros copos. Que sua ressaca seja maior do que todas as que tive até hj. Vc vai sentir minha falta. E eu a sua, mas a partir de hj a minha ultima coca-cola do deserto será realmente uma coca-cola.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Oi.Simples assim uma ova!


Odeio mudar de operadora de cel. Ainda mais qdo eh Claro que vc gosta..Mas como todo mundo da sua casa muda, vc tem que se habituar se não quiser pagar mais caro. Um bando de dOIdos. Desde que sai da antiga, só ganhei dor de cabeça.Meu cel liga pra mim mesma, liga pro Daniel mesmo eu estando do lado e ele vê o cel tocando com meu nome!!!! Mensagens então ele só envia qdo quer e pra quem ele gosta, e de repente envia 3 de uma vez. De resto, nem editar meus contatos eu estou conseguindo. Não escuto qdo me ligam e ninguém me escuta tb. Ta chiando mais que o rádio de 1930 da minha avó.

Devem estar pensando " Não é culpa da operadora, sua aprendiz de Loira. É teu cel que ta um lixo". Não. Não é. E aprendiz de Loira é a vovozinha! Qdo coloco o antigo chip funciona perfeitamente! Tudo como era antes. Então, vou chegar onde quero... Um amigo me ligou ontem, dizendo que tinha um entrevista pra mim hj. Me passou o endereço. Av. Contorno com Raja Gabaglia. "Imperador" disse ele.
Hj, lá fui eu..."taxiii...me leva no Imperador." Caramba..cheguei lá..não tinha ninguém com o tal nome que meu amigo tinha me dito, nem sequer entrevistas! Fudeu..pensei. Fiquei lá conversando com o garagista....tô sabendo de altos dos funcionários das lojas por ali.Não consegui falar com o amigo pq ele tava numa reunião.Um tempo depois,ele me liga e diz que é a loja ao lado. Lá fui eu feliz e saltitante e anciosa. E mega atrasada. Não se chega num entrevista atrasada. Mas fazer o quê? Meu amigo me disse Imperador.
No meio da entrevista meu olho direito dispara a chorar! Sim, a arder. Tááá..pra quê fui dormir de lente pela milésima vez? E eu estava so com uma lente.No olho esquerdo. Fingi que estava tudo normal. Será que ele percebeu?? Saí de lá,claro, foi rapidinho, liguei pro meu amigo.Fiquei lá esperando ele. Nó! Que calor infernal.Andei pra caramba pra comprar um garrafinha d'água. Imagina a cena. Num sol de 3 horas da tarde. De salto. Ainda escutando "a barbie anda"," ow ruiva furacão". Oq leva um idiota a mexer com uma pobre indefesa numa das av mais movimentadas da cidade e nessas circunstancias?E voltei.¬¬. Daí, meu amigo chegou e fui contar pra ele da entrevista. Só omiti minha lágrima.Descobri que porcaria da OI não me deixou escutar direito. Ele tinha me dito "ao lado do imperador". Claro, que escutei só Imperador, pq a ligação estava cortada. Mas tudo bem. Ainda bem que não sou uma pessoa que tem muita sorte com o azar...Pq qté o azar passa longe de mim..hehe!
Me arrependo amargamente de ter entrado pra essa operadora de dOIdos. Tem que ser muito anormal, pra trocar o certo pelo duvidoso! Táá..aceito agora o aprendiz de loira!
Ainda bem que hj é sexta feira! Já aviso: se não te atendo no cel é pq ele não deve tá tocando!
Vou na OI pedir emprego! Não se chega atrasada num entrevista! Era AO LADO e não no Imperador!

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Sede


Não consigo pensar em mais nada hoje! Pronto! Até os exercícios de eletrostática não estão em sintonia! Apesar, de ontem, eu ter ficado com doses excessivas de adrenalina me rondando a partir das vinte e duas horas... Ou um pouco menos, quando comecei a formatar a questão tão indefinida... Mas o resultado? Bom! Positivo! Aprazível! ( De onde tirei essa agora?!)

Porém, hoje não é isso que me ronda. Pensei até em grande parte dos palavrões do texto abaixo. O motivo? Insosso: não posso beber água até amanhã de manhã, por causa de um simples exame de sangue. (Ainda bem que é sem sal mesmo... pois senão a sede aumentaria... Começo a viajar...) E eu estou com um baita sede enlouquecedora! Minha garrafinha de água parece até mais chamativa e a única frase que não sai da mente:

Por que o proibido é mais gostoso e dá sempre mais vontade???
.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Palavrões

Aqui estou eu tentando dormir, mas num consigo. Palavrao nao sai da minha cabeca. Que raios! Mas nao falo de “Inconstitucionalissimamente”. Falo daqueles palavroes que pais batiam em nossa boca cada vez que soltavamos um “sem querer”. Quanto mais tapa na boca, pimenta e castigos tomavamos, mais sabiamos da existencia de palavroes. Nossa mente chegava ate inventar! Viravamos um tremendo “inventores de palavores”.Melhor exemplo: A gente NUNCA lembra que tem cinco dedos em cada pe.Principalmente desse viado desse dedinho. Mas dai eh so vc bater na quina da cama com ele que pronto! Tira as criancas de perto se nao quiser ter uma aula instantanea de palavroes! So ali surgem mais uns 10! Mas eh muito bom dizer…tipo, vc ta numa discussao e manda fulano pra puta que pariu. Nao um simples vai pra puta que pariu. E sim um VAI PRA PUTA QUE TE PARIU! Esse “TE” no meio da frase eh pro fulano ter a certeza que eh pra ele ir pra puta que pariu ELE e nao a que pariu o vizinho (cuja a mae tb pode fazer programas mas num chega a ser tao puta qto a que esta na discussao). Tem tb o FILHO DE UMA PUTA! Mas esse ai nem sabe de que puta eh. Pq eh “de uma”. Pode ser uma puta qualquer.Qual a graca de ser o filho de uma puta qualquer?! Nesse caso, so o Filho da Puta basta!E o tal de VAI PRA MERDA? Alguem sabe onde fica ESSA MERDA alem de Brasilia? Tem uma merda mais perto?Acredite: eu escuto PUTA-QUE-NA-MERDA e ate FIEH-DA-PUTA! Gente! Solta a lingua! Se eh pra xingar, nao seja timido! Agora….nada melhor do que aquele que principalmente eu adoro falar qdo estou na epoca de Todos Precisam Morrer, e que tb a outra aqui do Blog faz ate biquinho qdo diz: VAI TOMAR NO CU! Acho que so ela manda com tanta vontade qto eu,rs! Nada de butao. Eh Cu mesmo! Ironico ser palavrao com 2 letrinhas….
Cara, como eh bom mandar os outros tomarem no cu. Nao sei oq gostariam de tomar ou se gostariam, mas na duvida eu mando mesmo.Eh uma palavra tao boa de falar quanto “compacta e impactante”. Sim! Que atire a primeira pedra quem nunca pensou em mandar alguem tomar no cu! Mas calma! Tem palavroes que nao suporto escutar-ler-escrever. Aquele que de palavrao nao tem nada mas eh feio pra burro. Comeca com Bu tem um C no meio e termina com Ta.E o casado com ele: Comeca com k, tem Ra no meio e termina com lho. Prefiro o Carai! E Bunda? Onde ela se encaixa? Isso nao eh palavrao nem aqui nem na sua. Mas vc ja viu a Sandy falar : “-Escorreguei, cai e fiquei com o bumbum doendo”. Nao vc nunca ouviu nem vai ouvir ela falar isso. Quanto mais a outra versao com o mesmo efeito pratico da coisa: “- Levei um tombo fudido e agora to com a bunda doendo”. Pq falar bunda eh feio? Eu nao acho! Bumbum nao combina com Gretchen.Calma! O que quero dizer eh que uma mulher daquela e vcs falam que ela eh a Rainha do bumbum??? Nao da pra falar que ela eh a Rainha da Bunda nao? Olha o nivel da familia….Sua sobrinha gostosona aceitou ser capa de uma revista pra macho e fazer um filme porno por uns 500 mil se nao me engano. Ate ai tudo bem se nao fosse um detalhe: a gostosona eh virgem!!! E vai fazer filme porno!!!!!! Como??? Vai da o cu no filme! Isso mesmo! O CU! Isso que eh Tomar no cu e ainda sair ganhando! Nem Clodovil ganhou tanto! Se alguem a mandar tomar no CU, ela vai realmente tomar gosto pela coisa e ainda fica Rica! Viu gente! Quer ganhar $ eh so todo mundo TOMAR NO CU!
Ai ai…chega de palavras por hj….to dando um belo presente de aniversario pra minha mae! Ela, que ha 23 anos tenta me ensinar que falar palavrao eh feio. Feio eh ficar com a merda entalada na garganta.
Puta Que Te Pariu Vai pra Merda Tomar no Cu! Nao acredito que vc ficou aqui lendo isso!

domingo, 28 de setembro de 2008

Desencontro


Estranho como as coisas comecam. E mais estranho ainda eh como elas terminam. E nesse meio vai-e-num-volta a gente escuta cada coisa! Pensa que "entao eh assim que as pessoas nos veem?!?". Ok. Se passamos tal imagem, liga o foda-se pq nao souberam captar o que realmente importava. Eu nao me importo com opiniao alheia. Confesso que quando me convem.

Acho que era pra eu estar triste hj. Pois lacos foram desfeitos. Mas nao estou. Foi muito divertida a noite. Ri pra caramba. Senti uma coisa diferente. Talvez por nao ter possuido o que eu perdi.Se eu nao possui, como perdi? Dai que surgiram as risadas. Acho que dei muito valor pra essa coisa que achava que tive. Um namoro. Nao tive um namoro. Tao pouco sei o que tive. Mas foi bom, foi legal e foi muito engracado. Claro que deu certo. Ate ontem (eu acho). So nao digo que de mais. Nao sei de nossas reacoes e tormentos. A gente aprende muito quando se namora longe. Aprende a dar atencao a conta telefonica, a ficar mais tempo na net, a checar emails e orkut com muito mais frequncia, aprende que as promocoes de passagens aereas nunca sao tao satisfatorias quando precisamos. Claro! Tb aprendemos a olhar pro casal ao lado no cinema, a comer brigadeiro de colher sozinha, a assistir filmes melosos abracados com o cachorro...etc etc etc..

Nao sei quando, de fato, me perdi dele. Nao sei se ele ,de fato, sabe que me perdi. Mas eu sou uma pessoa que nao tem pacienca com namoros. Nao tolero muita picuinha. Nao aceito. E sou radical demais. Jogo pro alto. Faco nao valer a pena. So os loucos podem gostar de mim. Nao sou facil. Tenho um genio da porra e uma vida boemia. Pra que sofrer? Nao gosto de sentir ciumes, entao prefiro acabar com ele antes que ele acabe comigo.Simples assim. Viro pro lado no ar mais singelo de "E a vida continua...". Dai pensam que eu nao gostava do doido que namorou cmg. Claro que gostei! E ainda posso gostar (viu? POSSO! Num assumo tao facil). Mas eh o meu jeito de encarar as coisas. Isso se chama valvula de escape. Isso eh minha valvula. Isso em faz bem . Apesar de que, eh mais facil ainda qdo se namora longe... Vc quase nunca tem a cia do doido mesmo. Dai pensar que vai mudar muita coisa eh mais sarcastico ainda. Nao muda! Olha bem, eu nao estou falando que o que tive foi ruim. Foi otimo! Ali achei que vingaria. Daria tao certo que quase ficou "mais serio". Porem...mais uma vez eu nao tenho paciencia. Nem sapiencia para lidar com isso.
"Tive" o doido mais doido do mundo!rsrsrsrs.... Nao posso reclamar que eh uma pessoa muito boa, dificil de se encontrar por ai (por isso,acho eu, que fui tao longe encontra-lo). Com qualidades que poucos homens tem. Mas com um defeito que todos eles tem (ele eh homem ne!) e nao estou aqui para cita-lo.

Como a gente se conheceu? Nao importa! Foi legal. Foi bacana. Foi estranho e foi cena de filme! Ali, naquele aeroporto, pensei que ja tinha encontrado quem eu sempre procurava. De repente ainda eh. So que agora nao eh nosso momento.
Tenho que aprender muito pra continuar com uma relacao assim. E confesso que essa nao esta sendo a melhor hora.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

O dia em que partimos


Acredito que saibamos como será; Pressentimos. Porém, não imagino se acordamos mais felizes do que de costume ou mais melancólicos. Se decidimos tomar banho pela manhã e vestir a roupa mais bela do armário ou se simplesmente optamos pelo corriqueiro.

Acredito que no dia da nossa morte somos mais perceptíveis aos sinais. Sentimos melhor o vento, vemos o céu mais azul, a comida mais saborosa, as pessoas com outros olhos (diferente dos de antes)... Mas não entendemos os signos.

As pessoas devem acordar saudosas. Sentindo falta dos que não vêem a tempos (encarnados e desencarnados). Com um aperto n’alma, achando que uma aspirina resolve. E de repente... Puf! Sente-se leve, ou desesperada, com uma dor de cabeça ou vai dormir...

Pensando bem é melhor assim: não saber o dia da nossa morte. Senão, não viveríamos de planos e sonhos. Não compraríamos aquele sapato ou blusa para serem usados na próxima semana. Não planejaríamos fazer aquela visita àquela cidadezinha que ficou perdida, sem tempo... E cheia de boas recordações.

Se soubéssemos o dia, a hora e o local evitaríamos de passar perto, de fazer aquele trajeto... Ah! Seria tão chato e desconfortável se descobríssemos...

Eu imagino que poderia ser como em uma festa de gala. Você poria o relógio pra despertar tal horário (o mais cedo possível “para aproveitar”). Abriria o guarda-roupa, escolheria, minuciosamente, passando dedo a dedo, as várias roupas e depois de um bom e relaxante banho, vestiria a tal roupa escolhida. Talvez com os olhos marejantes... relutantes. Mas o que mais me preocuparia seria se após isso, fôssemos para a sala, sentássemos na cadeira de balanço, em frente ao relógio e esperássemos de braços cruzados, segundo após segundo.

Talvez deixássemos pronto os inventários (pouparia grande trabalho). Deixássemos cartas, fotografias, mensagens de voz na secretária e desenhos, todos envelopados e com os destinatários certos. Mais não!
A verdade é: seremos surpreendidos!

A verdade é que muitos irão deixar feitos pela metade! Alguns sonhos planejados, alguma viagem marcada, alguma consulta em espera, algum telefonema, carta, mensagem não respondida. Algum eu te gosto sem ter sido falado.

As pessoas que ficam, às vezes, comentarão: Mas se ele não tivesse ido a tal lugar... Ou se eu tivesse dito para ele ter passado a noite aqui, talvez não tivesse acontecido...

Contudo, pensando bem: Será mesmo???
.
.
.
PS: A foto foi tirada num braço da Represa de Três Marias, em um dia bastante calmo e feliz.

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Marte?

"Às vezes acho que o sinal mais evidente de que existe vida inteligente em algum lugar do universo é o de que ninguém, até agora, tentou entrar em contato conosco."

sábado, 20 de setembro de 2008

"Estar feliz é não desejar o minuto seguinte, com medo que o dia se acabe"


Hj eu venho dizer com toda convicção do mundo que sou feliz! O quanto sou sortuda de estar nesse mundo. Mesmo cheio de coisas ruins. No meu mundo eu vejo as coisas boas. Não tenho do que reclamar. Hoje não. São sentimentos misturados, mas todos com essência boa. Tenho vontade de rir o dia todo e é isso que fiz. Mesmo com um tempo tão feio, chuva e vento frio como está SP. Pq isso me influencia. Porém ta sendo diferente. Me fez bem e eu andei na rua rindo. Chamei até atenção. Talvez pq as pessoas não estejam acostumadas a sorrir sem motivo aparente. Mas eu tenho motivo! Vários! O principal é que eu fiz valer a pena. Valer a pena pra mim. Nesse frenético encontro e desencontro de almas. Cada minuto aqui foi unico. Cada palavra ficou, embora ventos levem, essas foram fortes. Permaneceram. Imagens. Situações indescritiveis. Guardadas pra mim. Pq não tem como descrever, a gente não pode descrever sentimentos, senão eles se tornam simplórios e insignificantes. Adoro vir pra SP. Sempre. Toda vez encontro emoções diferentes. Ora boa, ora ruim. Mas com aprendizado imortal.
Música? Ai meu Deus! Tem! Tem música! E ela é linda! Ganha um sorriso Colgate meu e com direito a lágrimas nos olhos. Emocionalmente emocionada. Mais um trilha de sampa que levo.
Como se descreve momentos? Se tornaria simplório tb? Acho que não. Mas são bons. Família (leia-se gargalhadas,preguiça e pizza). Aquele fulano (leia-se mistérios, parceria e carinho). As palavras vão se tornando complicadas de se encaixar. Como eu uso "receio" no meio de tanta coisa boa? Como eu digo "voar" no meio de tanto pé no chão? Posso usar "sonho"? Não! Aí já seria mentira. No lugar, descobri que o que mais dá certo é Realidade. Aconchego. Vibração. Risos. Abraços. Cantadas (todos os taxis que utilizei!). Carinho. Atenção. Felicidade. Diversão. Fome (onde entra a pizza!).Desejo. Vontade de sair correndo e gritar. Pq minha paz está transbordando. Humor renovado. Cara! Como precisava disso! Descobri o que me faz bem. Mas tenho um preço a pagar. Tudo bem. Tenho cartão de crédito e posso dividir. Não falo de $ vivo não.
Eu posso? Posso. Foda-se. A vida é minha. Alguém lá em cima vai com a minha cara. E quer coisa melhor do que se sentir livre? Mesmo que seja por uma semana? Não! O que tenho comigo, não pode ser retratado, filmado. Levo comigo. Pra outra vida. Pra sempre.
Aqui me redescobri. Descobri como Bruno, Daniel e Matheus me fazem falta e que eles são mais importantes do que imaginava. Que Beto pode ter suas razões por algo. Que minha família paulista é meu seguro mesmo estando de longe. Que o Fulano pode ter atenção de um "mundarel" de tietes ( que até eu posso ser uma delas no ponto de vista dele. Foda-se), mas se ele não se importasse tanto, tinha me deixado comer mais e mais pizzas e nem ter feito forcinha pra me ver. É isso. A gente pode dar valor exagerado pras coisas e pessoas ao que na verdade é só essência. Porém se for isso, essa essência foi de baunilha. A minha preferida.

Desejo que cada ser humano tenha uma vida como a minha. Prepotência dizer isso? Não. Tô de desejando só coisas boas. Só sentimento puros, inocentes "a lá Punky a Levada da Breca".
Espero que eu tenha conseguido passar algo bom. Obrigada a todos que estiveram cmg aqui. A todos que participaram desses sentimentos unicos e sinceros. A felicidade plena. Ao sorriso, gargalhadas. Ao que me aqueceu no frio. Não só com cobertores. Mas tb com palavras e atitudes.
Ao que me aturou em sua casa. A que me fez procurar um predio que só reconhecemos de longe!.rsrsrs.

Super Agradecida! Isso vai pra sempre!
Bolinhas de sabão é algo que me deixa feliz por sempre me lembrar de infância. Nada como ser representada por ela.


P.S.: A música? "Collide"- Howie Day.

(Grácias por dar-me el video,Lá!)

Embate recíproco de dois corpos


Decerto haverá sempre acontecimentos, os quais não gostaríamos de mudar. Olhando em volta, descubro todo os dias: ora um punhado, ora um, ora nenhum. Lógico que mudanças são, sim, bem vindas! E acontecem! E digamos, "quase sempre quando a gente menos espera" (você, provavelmente, já falou essa frase, ou já pensou sobre... e pode até mesmo dar o braço a torcer, mas ela vem e te pega no meio do caminho, desprevenida...).

Pode perceber, começa-se pelas simples coisas: há, quase sempre, em seu celular, um número que você nunca teve o costume de ligar. Mas está lá, guardado, esperando o dia certo (que não chega) e quando você passa pelos contatos, tenta, contudo não consegue apagá-lo. E também não liga. E nem ao menos sabe se aquele número ainda existe.

E as mensagens? Ah... aquelas que te pegam no meio da madrugada, em dia de semana, no bom do sonho, para te fazer ler, sorrir, virar pro lado e tentar dormir ou de tão rápido pensar que foi sonho mesmo. Porque amanhã tem que acordar cedo, há aula e a matemática anda tirando o sono, enquanto a física tem funcionado. Algumas, das melhores, vem de números estranhos, não armazenados,  que você nem imaginava e acha tão bom ter sido lembrada que de verdade liga de volta.

Nunca querer mudar os irmão, mesmo que de vez em quando de vontade. Mas "quando você era assim, era mais legal..." e de novo pensa: as pessoas crescem e algumas... Báá! Nunca irão mudar. Ao contrário de outras que nunca deixarão seu pensamento... Por mais distantes, por mais "estranhas" e paradoxais. Algumas, você se apaixonará diariamente  de uma forma ou de outra. Se apaixonará pelo cheiro de jambo, pela música esquisita, pelo sorriso, pelos dentes (mais que pela boca em si), pela mão, pela situação. Se apaixonará pelo momento! Pelo céu azul em dia de brigadeiro... Por uma cachoeira e um acampamento.

Outros, irão se colidir. Irão sentir-se atrevidamente despertos e dispersos, sem que se saibam que se amam... Ou se for tarde, que poderiam ter se amado... E em um futuro que não marca a hora, se encontrarão no casamento de um amigo em comum. Ela com alguém - talvez cheia de planos - e ele - com o mesmo sorriso... Então, conversarão como antigamente e surge "nonada"  ah! Mas eu te amei na mocidade! Te pegando desprevenida, enquanto você sorri sem resposta. E por qual motivo nunca se declararam? Era recíproco. E agora ali, afastados a dois palmos de distância... Podendo ter sido diferente... Podendo diante de todos serem um casal e estarem juntos. Todavia não tiveram a coragem necessária nem de ser, nem de não ser. Somente por medo, somente porque um julgava estar pensando errado, enquanto o outro também tinha o mesmo sentimento.

E eles tremiam por dentro quando se esbarravam... E puxavam (in)seguramente conversas que duravam horas. Mas eram somente (e bastava?!?) amigos. Daí, você se despede com um abraço apertado e estranho, prometem se encontrarem... Mas não sabem quando, não sabem se... Não sabem de verdade... E você pisa em uma macia e verde grama e deixa-se ficar... afligida... Pois hoje a colisão foi mais forte do que a esperada.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Bem Vinda

Só uma descrição do que somos (juntas):
Eu e Lari....pra variar... "...Juntas somos o sorriso, o conforto e o todo. Somos o abraço, o ombro e a mão sempre estendida. Somos ridiculamente OPOSTAS e extremamente PARECIDAS. Falamos, rimos e gargalhamos.."

Pão de Queijo, seja Bem Vinda!!!!
Amo vc!

terça-feira, 16 de setembro de 2008

A reinauguração


Pela primeira vez não tenho certeza do que estou exatamente escrevendo. Não sei como começar e nem sei como terminar. Vou deixar fluir!
Eu nunca tive a intenção de ter um blog! Então, se alguém ler e estiver pensando:"mas porque está aqui, oras!?!" Não julgarei mal! Pois ainda não descobri. Confesso que surgiu de um convite, de uma pessoa que muito bem me conhece e que não precisou insistir! Portanto, era disto que eu estava precisando! Inconscientemente...
Pois bem! Essas foram as palavras iniciais!

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Sinceridade



Não sou boa com números. Com frases-feitas. E com morais de história. Gosto do que me tira o fôlego. Venero o improvável. Almejo o quase impossível. Meu coração é livre, mesmo amando tanto. Tenho um ritmo que me complica. Uma vontade que não passa. Uma palavra que nunca dorme. Quer um bom desafio? Experimente gostar de mim. Não sou fácil. Não coleciono inimigos. Quase nunca estou pra ninguém. Gosto de todo mundo. Me desinteresso à toa. Tenho o desassossego dentro da bolsa. E um par de asas que nunca deixo. Às vezes, quando é tarde da noite, eu viajo. E - sem saber - busco respostas que não encontro aqui. Ontem, eu perdi um sonho. E acordei chorando, logo eu que adoro sorrir... Mas não tem nada, não. Bonito mesmo é essa coisa da vida: um dia, quando menos se espera, a gente se supera. E chega mais perto de ser quem - na verdade - a gente é.

domingo, 14 de setembro de 2008

Um Super Feliz Aniversário


Aeee....Feliz Aniversario Betooooo!!! Tudo de bom! Muitas passagens com desconto pra vc! Que vc venha me visitar mais vezes,ne?! Muito bom poder te falar tanta coisa esse ano. Queria apenas te dar um abraço bem apertado e acabar com saudade!
Que vc seja eternamente feliz! Que continue me amando cada vez mais tb! hehehe
Entao..resta...
Eu gosto do claro quando é claro que você me ama
Eu gosto do escuro no escuro com você na cama
Eu gosto do não se você diz não viver sem mim
Eu gosto de tudo, tudo o que traz você aqui
Eu gosto do nada, nada que te leve para longe
Eu amo a demora sempre que o nosso beijo é longo
Adoro a pressa quando sinto
Sua pressa em vir me amar
Venero a saudade quando ela está pra terminar
Baby, com você já, já
Mande um buquê de rosas, rosa ou salmão
Versos e beijos e o seu nome no cartão
Me leve café na cama amanhã
Eu finjo que eu não esperava
Gosto de fazer amor fora de hora
Lugares proibidos com você na estrada
Adoro surpresas sem datas
Chega mais cedo amor
Eu finjo que eu não esperava
Eu gosto da falta quando falta mais juízo em nós
E de telefone, se do outro lado é a sua voz
Adoro a pressa quando sinto
Sua pressa em vir me amar
Venero a saudade quando ela está pra terminar
Baby com você chegando já


Mi amas vin!!!!!

sábado, 13 de setembro de 2008

Em Sampa!

Ahhh hj cheguei em Sao Paulo...
Estranho. Gosto daqui. Viajem super engracada. Fiz parte de uma ida a lua-de-mel do irmao de um ex! Ainda tive que aguentar um taxista me cantando de Congonhas ate Av. sao Joao...rsrsrsrs!
Mas que bom hein?! Comecei bem! rsrsrs
Frio. Bem frio. Justo hj. Amanha quero sol!
Essa cidade seria mais aconchegante se eu tivesse oq fazer. Ou com quem fazer. Trabalhar...trabalhar...trabalhar...ate eu vim fazer isso! rs!
Bom..voo tranquilo!
So deixando resgistrado pra caso alguem (leia-se Beto) queira saber como foi de viagem..ja que nao teremos horarios combinados e acessiveis pra ambos...msm assim, ainda tenho com quem me preocupar...\o/
Adoro vc!

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Eu so sei que nao sei.

Oh vidinha...nem sei mais oq fazer...Nunca estou satisfeita. Sempre quero algo mais. Porem nao sei oq eh...Me pergunta se sou feliz. Claro que sou! So nao sou completa. E nao sei oq falta.
Amo aviacao. E nao escondo de ninguem. Mas por ainda nao estar la dentro, pode ser isso que me deixa com um sentimento de vazio, de querer sempre mais. Qdo vejo um aviao, pareco uma crianca com seu primeiro brinquedo super interessante. Arrepio. Adoro sair com o Bruno. Ele sempre contando suas historias de aeronauta e me colocando pra cima. Quase me convencendo que esta msm prevendo o futuro qdo diz que estarei la na TAM em breve. Desejo muito que ele esteja certo. Adoro minha familia. Mas ela nao me prende mais. Sei que posso demorar a voltar, mas eles ainda estarao aqui me esperando. Logo, posso continuar no objetivo de ser Comissaria perfeitamente sem medo de sentir saudade. Saudade a gente tem sempre. De tudo. De todos. Na minha idade eu ja senti saudades de muita coisa e gente. "Acostuma-se". Questao de sobrevivencia. Eu to viva, que eu saiba.

Amanha, inauguracao da casa que eu estou divulgando.O Laçador. Espero casa cheia. E que todo os esforcos de acessoria/producao da Rafinha de resultados. POSITIVOS. Nao garanto que tenha tempo daqui em diante. Quer dizer, tempo a gente sempre tem. A gente que coloca obstaculos em tudo. O que pode acontecer eh chegar em cs um caco e desmaiar na cama.
Esse eh um trabalho que to fazendo nao por vontade propria. E sim pq sei que Rafinha precisa de ajuda, senao ela tenta se transformar em mil e acaba nao sobrando po de uma. Dai eu ofereci ajuda. E tb pra nao ficar a toa. Esperando a TAM chegar.
Quando fico em cs a toa, nao saio da net. Um saco. Nada pra fazer. Todo mundo trabalhando e a dondoca aqui em cs...Afff que coisa mais chata. Ate gostaria de ficar em cs. Mas se tivesse algo interessante a fazer. Nem uma conversinha sai. Toquinho e Luna (meu maltez e sua respectiva namorada) seeeempre dormindo. Vo nem sabe que ainda ta viva. Dita, o medico mandou nao contraria-la (rsrsrs....seeeempre nervosa com as gaiolas e os passarinhos esguelando,sim, eles nao cantam...eles sao tenores!). Entao...oq fazer???? NET! AHhh juro que nao vou mais reclamar, Nao por hj. Ja chega. Meu estoque de crise existencial ja se esgotou.
Se der, amanha passo aqui pra contar como foi a Inauguracao da casa. AI meu Deus! Acabei de lembrar que sexta eu dei minha palavra pra ser a hostess. CALA-TE SABRINA!

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Valeu pela consideracao!



Ja tive dias melhores. Meses melhores. E ate msm anos melhores. Porem nao posso me auto mutilar pelos acontecimentos ocorridos. Nao tive culpa. Isso eh obvio. Mas se estou envolvida, acabo tendo "participacao cosmica" (nao achei palavra mais eficiente que essa). Ja perdi pessoas muito importantes. Perdi nao. Elas morreram. Antes tivesse perdido. Talvez um dia pedindo pra Sao Longuinho (sim, pq qdo perco algo eu recorro a ele! Sempre funciona) Eu poderia acha-las. Semana dura. Semana dolorida. Vontade de encarar hj. Agora.Ficar falando aqui pra quem quiser ler e ninguem tem nada a ver com isso. Leiam se quiser. Nao vao encontrar nada de interssante. Ja aviso.Acho incrivel como existem pessoas com o dom de nao falar nada qdo vc passa por uma morte de parente. Nem "meus pesames". Sinceramente, acho incrivel elas nao falarem nada e eu me sentir bem com isso.Talvez por ter ja escutado varias vezes, sendo a primeira delas com apenas 12 anos. Uma completa idiota que achava que o mundo era perfeito.Mas voltando ao assunto dos mudos em momentos funebres, agradeco em especial um. Sem nomes aos bois. Sem propagandas. Apareceu na hora certa. Ficou calado quando eu mais tinha vontade de chorar. Ali, so precisei de um abraco e alguns minutos de risada. Foi o suficiente. Foi o bastante pra me aliviar. Pra me deixar abrir os olhos de novo.Nao to aqui pra babar ovo de ninguem. Ate pq nao preciso disso. To aqui pelo simples fato de escrever pq gosto e esse assunto me veio em mente qdo eu me peguei lendo uma cronica e oq mais li foi "meus pesames". PQP.Nao gosto disso. Deprimente. Isso nao consola. Isso desola mais ainda.Desculpa as pessoas que chegaram perto de mim e falaram isso. Ninguem eh obrigado a saber. Mas agora ja sabem. Desculpa se fui grossa.Nao era minha intencao. So nao curto essa frase automatica. Me de um abraco e fique calado. Depois, me faca rir! Isso nao eh dificil. Me fizeram rir no velorio do meu pai. Acharam estranho. Eu achei otimo. Era oq precisava naquele minuto.Oq as pessoas pensariam depois nao me importava. Pq era meu pai que tava ali e eu poderia reagir da forma que mais me convem.Valeu pela risada na ultima semana. E msm de longe, em videos (principalmente Herrar eh Umano) ainda continua me fazendo rir. Isso eh oq mais me importa.
P.S: Isso nao eh declaracao de amor. Logo, nada de ciumes. Eh atestado de capacidade de ficar calado em horas que todo mundo deveria ficar e nao consegue!

domingo, 7 de setembro de 2008

Dia dos Ruivos!


Aaaaaahhhh tive que voltar!!!! Hoje, alem de 7 de Setembro e ser uma data de suma importancia pra Historia (?) do Brasil, eh tb o DIA DOS RUIVOS!!!! \o/
A cidade de Breda, na Holanda, declarou o dia 7 de Setembro o dia do «cabelo ruivo» para que o pintor Bart Rouwenhorst pudesse pintar e tirar fotografias. Na baixa de Breda juntaram-se cerca de 2500 ruivos.
Quem tem fascínio por «ruivas» pode ter acesso às fotografias e aos quadros em Grote Kerk. Rouwenhorst tem vindo a pintar ruivos durante anos. "Eles são raros e especiais. O tom de pele é completamente diferente e por isso extremamente difícil de pintá-los realisticamente", explicou.
Logo, muito inutil, mas ja que tem: Vou comemorar!!!

P.S.: Como se comemora isso? o.O

Minha primeira vez

Olha eu aqui pagando lingua! Odeio blog! Mas o acho necessario qdo as palavras ficam martelando na cabeca...Eu fico maluquinha..doida pra escrever...
Hj eh so pra apresentacao. Somente poucas frases.. Ate pq com casa cheia nao consigo muito bem. Eu funciono melhor sozinha. Pelo menos pra escrever. Mais um esclarecimento eh que minhas palavras serao sem acentos. No meu teclado isso eh complicado. Na veradde, nao sei se eh o teclado ou se eh quem esta tocando ele, rs! So sei que nao da!
Ate breve.

Moon of the Day