segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Cada um com sua essência.


Não deixo meu cabelo curto. Choro quando saio do cabelereiro. Tenho carências insolúveis. Nunca tomo refrigerante após beber cerveja. Sou apaixonada por batata palha e maionese. Meus esmaltes preferidos são os vermelhos e uma vez por semana eu tenho que usá-los. Sou míope. Perdi minhas lentes de contato e as que sobraram os pedreiros de casa jogaram fora. Não suporto calça jeans, mas uso. Gosto de saias e vestidos por me sentir livre. Se nevar, eu morro. O sol me anima, mesmo me fazendo derreter. Odeio atender telefone, mas já tive, ao mesmo tempo, 2 celulares. Você não me acha mais no msn, e quando acha, estou ausente. Tenho amigos famosos e outros não famosos mas muito conhecidos. Gosto de arco-íris e girassóis. Não falo inglês como antigamente, mas entendo tudo que você fala. Meu namorado é mais novo do que eu. E é ele quem cuida de mim. Não saio de casa sem rímel, senão me acho albina. Coleciono Havaianas. Carnaval é essencial pra mim por sua alegria. Adoro Natal e Panettone. Se estou com a minha doce-prima-irmã o mundo pode acabar porque eu sei que estou segura. Tenho ciúmes insanos. Ligo o foda-se fácil. Compro quase tudo o que quero. Adoro viajar. Seja de carro, moto, trem avião ou jegue. Coisas simples me fascinam. Pessoas simples me ganham. Quero uma casa enorme e com poucos móveis. Queria 3 filhos, hoje somente 2. Cidades do interior mexem comigo, mas ainda vou morar em SP ou RJ. Não gosto de Madonna, mas danço Vogue. Lady Gaga me assusta. Meu sorvete preferido é o de Chocolate Branco. Tenho um dente de leite até hoje. Tive somente três cisos e já os excluí da minha vida. Quando pequena, acordava de noite para dormir sentada na cama. Já caí várias vezes batendo a cabeça no chão. Já balancei em coqueiros no meu quintal. Já segurei uma guria para a minha doce-prima-irmã bater. Morei ao lado de um cemitério e brincava de pique-esconde por lá. Odeio acordar cedo, mas se o churrasco começa as 8, estarei lá. Não gosto de esperar ninguém. Tequila me dá amnésia. Beber dias seguidos também. Já fui modelo mas descobri a tempo que as pessoas são sacanas. Frito ovo no micro-ondas. Amo cebola.Sou teimosa e impaciente para coisas banais. Gosto quando me fazem rir sem motivo aparente. Tenho medo do escuro. Não durmo sozinha. Meu cachorro é chato mas sinto saudades dele quando eu viajo. Já namorei muito. E descobri que ninguém é perfeito. Sou preguiçosa, mas se trabalho não gosto de parar até as coisas estarem bem feitas. Quero um porquinho de estimação. Meu coração bate descompassadamente. Minha pressão é baixa. Detesto coxinha. Tenho amigos loucos, gays e uns loucos para serem gays. Tenho poucas amigas. Mulher é uma coisa estranha. Ouço Prodigy para relaxar. Adoro butecos, mas um restaurante bacanudo tem seu valor. Não vivo sem meus Daniel's e ainda bem que tenho um Bruno. Tenho 4 tatoos. Nunca tive piercing. Já fiz vestibular para Odonto, Administração e Turismo. Passei em todos mas formei em Comissária de Vôo. Ainda vou pro México. No meu aniversário quero um bolo em formato de Guitarra. Sou louca por Rock N'Roll das antigas. Meu pai era músico. A maioria dos meus rolos também. História da Arte me encanta. Sou uma anta em matemática. Adoro expressões. Sempre reparo em mãos. Um dia ainda vou aprender a tocar violão e guitarra. Sou viciada em jogos de computador. E em sazón. Gosto de falar pouco, mas se for pra contar histórias de minha vida com a (de novo) doce-prima-irmã, nos freie..Não seguro minhas palavras no meio de uma briga. E qdo quero te mandar TNC, eu mando. Fui mimada e recebi café na cama até 18 anos. Já fiz muita gente chorar. Não me ensinaram a pedir desculpas. Acho sim, que isso foi um grande erro. Ainda tenho muito o que aprender. E quero ser uma pessoa melhor. A ordem dos valores não importa. Poderia ficar citando coisas por horas a fio. Mas falar muito, enche o saco. E sim... abstraia porque a vida é um morango.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Uma leve mão


Amigo te garante que a vida é boa em dias que há vendaval.
Te faz chorar de rir e rir de tanto chorar.
Te ensina algebra, te compra livro e põe dedicatórias, pisa no seu pé e te faz dançar.
Te faz refletir, te faz esperar.
Há aquela pontualidade mútua que não está em relógios, que está, sim, no tempo de convivência, no tempo dos desejos, no tempo em que a rapoza escolheu o pequeno principe para cativa-lo. E ele, o principezinho dourado, não fugiu. Não teve medo dos carneiros, podou os baobás, visitou planetas e voltou, dispêndioso (pode ser) mas para sua rosa.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

A bagagem


Então, a mala ficou no pé da escada por uns três dias sem que soubesse o que de importante levaria e passava por cima dela, com o coração saltitante, ignorando-a e sabendo que deveria partir no domingo.

No sabádo ela fez e desfez as malas várias vezes, achando que estava levando muita roupa e ainda sabia que faltava roupa de cama e os seus livros. Vários. E tudo foi acontecendo muito rápido. Em menos de vinte dias ela havia sabido que passara no vestibular, fizera matricula, chorara de alegria, comemorara e avisara a alguém sobre a mudança. Aliás, avisara a várias pessoas, mas um alguém era especial. E ela quaria dizer a ele de uma forma clara, doce, sem reticências que o Julho seria breve e que se sua visita demorasse, ele não a veria. E foi assim que deu-se o fato: ele ligou adiando a ida para Agosto; Ela, sem pensar disse não, não estarei mais aqui, eu passei no vestibular e minhas aulas começam dia 27. Ele, mudo ficou. Tentaram conversar e deu-se o inesperado: a ligação caira. Pronto. Ela havia falado, não da forma que queria ter dito e do outro lado não se sabe como foi a expressão.

Fato é que domingo ela pos as malas no carro e se dirigiu à outra cidade longe de casa. Dormiu em outra cama, tomou banho em outro chuveiro, usou outro espelho e pensou. Pensou muito em tudo e em todos que ela tanto amava. Pediu que tudo desse certo e dormiu, com os olhos pesados. Dormiu bastante, tanto que somente acordou com o despertador do celular às sete e um da manhã.

Tomou café, se vestiu, pegou o elevador e logo estava na avenida. Ventava bastante. Cruzou os braços, olhou o céu nublado e seguiu para a faculdade. Insegura e alegre do primeiro dia como caloura. Imaginando o que faria. Detestava chegar aos lugares sem um ponto de referência e de puxar conversa com estranhos. Pensando, não tão estranhos assim, ja que muitos, se nada ocorrer, ficarão juntos por pelo menos seis anos adiante.

Era a magia do momento. Queria ser médica desde quando se lembrava de sua primeira memória. Nunca sonhou em ser bailarina, em dançar na Broadway, em ser astronauta da NASA. Queria ser uma médica da ong "Médicos Sem Fronteiras", queria ir para a África, Camboja, Timor Leste. Queria ir para onde a vida precisava de carinho, para onde pudesse ajudar. E a cada vestibular aumentava sua ansiedade. Reprovada foi em vários. Chorou. Estudou mais. Se fortificou. Pensou em como era burra por várias noites, quis desistir de sua meta, mas lá dentro nunca conseguiu abandonar seu desejo intrínseco. Então, neste Julho, de presente de aniversário veio o veredito: havia passado!

Ela agora se tornara estudante de medicina. Ela queria isso e teve a confirmação mais que absoluta quando teve a primeira aula prática de anatomia. Ela sorriu. Sorriu e lembrou das pessoas que acreditaram: lembrou do pai, da mãe, dos irmãos, do cunhado, da prima ruiva, do amigo que dizia Inron, dos amigos-irmãos da infância, do moço da praia do Frânces... Lembrou-se deles com carinho pois eles, a cada maneira, ajudaram-na a estar ali. Incentivaram, ocuparam a cabeça com ela, apoiaram e se preocuparam. Se ela tinha chegado onde queria, o primeiro passo, era de todos aqueles...

Enfim, há um mês o dia dela é diferente. Ela acorda e vai para a aula sorrindo, mesmo quando o sono ainda não foi embora. Mesmo que ela ainda não tenha encontrado tempo suficiente para conversar com quem e como gostaria. Ela pede desculpas por não poder estar respondendo os recados rápidamente e por às vezes não ouvir o telefone tocar. Tudo o que ela tem visto é novidade. Todo o sorriso é novo, porém ela, toda noite antes de dormir, sonha com cada um que ficou ao seu lado... E sente saudade. Sente falta. E promete que logo quando tudo se ajeitar, ela aparecerá mais vezes e nos horários de costume.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Fomentar


Eu preciso de colo. Mas daquele que me acalentava, atiçava minha imaginação com contos e fábulas e cantava pra eu sonhar.



Só por uma noite apenas.

.
.
.
.
E eu viajaria mais.
Muito mais.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

À Quem Interessar Possa:


"Me diga como você me admira. Quando eu estiver desanimada, me abrace forte. Me escolha sempre entre todas as outras mulheres ao seu redor. Brinque com meus cabelos. Faça cócegas em mim. Apenas converse comigo. Me leve na praia e veja o sol se pôr ao meu lado. Segure minha mão e caminhe. Segure minha mão e corra. Segure minha mão, e levemente me beije. Apenas segure minha mão. Me diga que estou linda. Faça massagens em minhas costas. Me faça adormecer em seus braços. Me diga coisas bobas; talvez isso me faça sorrir. Faça coisas que me faça sorrir, dar risada, e me faça querer beijar você loucamente. Quando eu começar a gritar com você, escute e pergunte o que me deixou assim. Me deixe louca por você, depois me beije suavemente. Me ligue somente para dizer "Oi". E me ligue de volta quando eu te ligar. Sussurre em meu ouvido. Me deixe recadinhos inesperados no Orkut e no
Twitter. Mande mensagens, expresse o quanto eu significo para você. Me leve para lugares românticos e leve cobertores para vermos as estrelas. Apareça de surpresa. Me dê presentes que só a gente entende. Me ensine a tocar guitarra, gaita e/ou violão. Escreva uma música para mim. Me diga que você acredita em nós. Sinta meu perfume. Me escreva cartas. Se pedir que você vá a um show comigo, vá, mesmo que viaje 7 horas. Saia pela estrada, sem nenhum destino e me leve. Acredite nos meus sonhos, ajude a transformá-los em realidade. Ouça as minhas músicas favoritas. Quando eu estiver triste, fique no telefone comigo, mesmo que eu não esteja dizendo nada. Olhe em meus olhos e sorria. Me deixe tirar quantas fotografias quiser de você. Me faça um jantar romântico em dias especiais. Lembre-se de datas e me surpreenda no meu aniversário. Me beije na testa. Me beije na chuva. Me beije onde eu menos espero! Sempre que quiser estar comigo, diga. Seja meu melhor amigo. Depois de tudo isso... Quando eu menos esperar, diga em meu ouvido, bem baixinho: Eu te amo...
Assim você vai saber como me levar contigo sempre e para sempre!"


P.S Belíssimo! Adaptado e dedicado ao Tignola, meu garoto. (=

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Ruivas x Perguntas Tolas



É sempre assim. Quem é Ruiva "de verdade" vai saber do que falo. São inúmeras as piadas e as perguntas tolas que escutamos. Um exemplo: "A cor da cortina combina com o carpete?". Dá vontade de mandar a pessoa estudar sobre o corpo humano de novo. Na boa. Ou então de mandar mesmo tomar naquele lugar onde o Sol não bate. Fica a vontade pra escolher.
Sendo assim, resolvi colocar as 3 frases-perguntas mais sem noção que nos fazem. Algumas por pura curiosidade mesmo. Mas gente, curiosidade sobre uma pessoa tem limite!

* Como fazer uma Ruiva se sentir uma mulher de Outro Mundo:

Pessoa -Você é Ruiva!!!!!!!!
Ruiva -Sim!! Eu sou! (Me senti diferente, meio ET)

Pessoa -Esse cabelo é seu mesmo?
Ruiva -É sim! Todinho meu! (Agora eu estou achando que sou uma ET)

Pessoa -O que? É natural? Seu cabelo é realmente natural? Não acredito!!!
Ruiva, já de saco cheio - ¬¬ (Pronto. Certeza! Vim de Marte.)


*Como fazer uma Ruiva duvidar de que ela seja mesmo uma de verdade:

Pessoa -Você é Ruiva!!!!
Ruiva -Sou??

Pessoa -Esse cabelo é seu?
Ruiva - Nãão! Peguei emprestado com a avó da minha mãe.

Pessoa -Seu cabelo é Ruivo?
Ruiva -Não. É pura ilusão de ótica.

Pessoa -Seu cabelo não existe!
Ruiva - Seu cérebro também não.

Pessoa -Nunca vi uma Ruiva natural!
Ruiva - Nem eu.!

Pessoa -Ruivas naturais só existem em desenhos.
Ruiva, indignada com a sua não-existência: -Pois é. Sou um holograma...

* Como fazer uma Ruiva Natural te passar o nome da tinta que ela usa (!)

Pessoa -Que tinta você usa no cabelo?
Ruiva -Nenhuma. É natural.

Pessoa -O que? Nenhuma??? Oo
Ruiva -Não. Nenhuma.

Pessoa -É natural,assim, de verdade?
Ruiva - ÉÉÉ...

Pessoa -Nenhum shampoo colorante?
Ruiva -Vermelho-Acaju-Loiro-Acobreado.Lóreal 527.


Viu? Agora que vocês sabem as perguntas em que as respostas são ÓBVIAS,por favor... Não nos façam perguntas tolas... Dá pra saber se uma ruiva é uma ruiva de verdade pelas sardas, pelo tom de pele ( normalmente muito clara), pelos cílios e tb pela sobrancelha.


P.S: Sim, na foto sou eu, com 3 anos de idade.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Enquanto Você Dormia



Já assistiram esse filme? Eu acho um clássico da vida real. Não que isso sempre acontece. Mas é que a essência (olha ela ai de novo!) é magnífica. E se você não abrir os olhos vai acontecer com você também.


Enquanto Você Dormia, alguém queria me dar o céu. Alguém queria ser meu. Alguém queria fazer tudo aquilo que você não estava fazendo.
Enquanto Você Dormia, eu estava sendo arrastada para um mundo de bons sentimentos e carinhos. E a cada dia mais eu me apegava.
Enquanto Você Dormia e tinha sonhos com outras, alguém estava participando de sonhos muito mais altos comigo.
Enquanto Você Dormia, alguém me deu um abraço que há tempos você me negava.
Enquanto Você Dormia, alguém me fez rir de um jeito muito gostoso.
Enquanto Você Dormia, alguém estava sempre ali pra me encorajar nos meus momentos de fraqueza.
Enquanto Você Dormia, alguém falava muito bem de mim.
Enquanto Você Dormia, alguém me contava casos divertidos sem fazer questão que eu sentisse ciúmes
Enquanto Você Dormia, alguém queria loucamente me ver.
Enquanto Você Dormia, alguém estava preocupado comigo.
Enquanto Você Dormia, alguém queria ficar por horas e horas conversando.
Enquanto Você Dormia, alguém me carregava para o mundo dele.
Enquanto Você Dormia, alguém fazia planos comigo.
Enquanto Você Dormia e achava que ainda assim estava tudo bem, alguém me mostrava que eu poderia ter mais.
Enquanto Você Dormia, eu me apaixonei.
Enquanto Você Dormia, eu ainda achava que ficaria com você, mas alguém quer que eu seja feliz.
Enquanto Você Dormia, eu planejei casar com o alguém.

Eu estava bem tranqüila com meu relacionamento. Tranqüila não quer dizer bem. Nesse caso, quer dizer tanto faz. Não me preocupava mais as brigas, as saídas, as mentiras, as cobranças e a falta de paciência e a esperança de uma fase melhor. Tampouco me magoava o que ele pensava de mim. E nisso esse namoro fora sendo empurrado com a barriga. E já não tinha mais encanto, nem promessas, nem dedicação. Enquanto ele estava dormindo pra mim, eu estava na minha. E foi nesse caso que aconteceu... alguém estava acordado pra mim. Eu simplesmente fui deixando me levar.Levando os papos, os carinhos e a sinceridade. Tudo aquilo que um dia ele fez e assim me levou.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Sensatez


Olhou-se no espelho, contemplou a face - abatida -  seus tumultuosos olhos se desesperaram calados. Há muito não sabia onde tinha chegado e nem porque havia deixado aquela mão lhe conduzir.
Seus olhos suportavam as dores de todos pesadelos e na mesma semana ouviu dizer que escondiam almas e quase podia acreditar no que diziam. Como seleção natural, conseguia controlar o brilho que doía e por fora era como se sorrisse incessantemente.
Dos lábios não houveram gritos nem lamentos, como também deixou-se de dizer das satisfações. Era como se uma barreira invisível e muito forte estivesse ali: entre o ser e a imagem.

sábado, 30 de maio de 2009

Se ela soubesse...


Hoje ela estava doente e tudo o que queria era atenção. Que fosse do porteiro. Mas como não iria sair de casa se contentou em ficar na cama rezando para o sábado chegar logo. Visto que sua viagem ao encontro de uma doce prima-irmã fora cancelada, decidiu se entregar mais ainda àquela maldita gripe fora de hora. Pensou em tudo. Na vida social, profissional mas foi na amorosa que ela percebeu que sua má noite estava apenas começando.
Lembrou-se de Shakespeare: "Beijos não são contratos e presentes não são promessas". Alí, literalmente no sentido da frase, ela se viu magoada e perdida. Como uma pessoa muda tanto? E se arrependeu. Arrependeu de não ser paciente. De não confiar novamente. De não perdoar por completo. De não permitir ser feliz. Se sua vida social era perfeita, descobrira que a amorosa era poeira. Ela não tinha mais o controle de seus sentimentos. E sempre queria colocar um fim na relação que não mais a pacificava e que se tornara a parte mais bélica.
Ele por outro lado, não aceitava suas condições. Não abria mão. Não fazia questão de lhe cumprir promessas. Mudou a ponto dela não mais ter condições de lutar pelos dois. De tirar o magnetismo do Eu Te Amo.
Também fora culpada. Não deixa ninguém interferir em suas amizades. Mesmo que tenha alguém querendo fazê-la se sentir melhor sem ele. Ela sabe até onde vai seu limite. E adora conversas de buteco, por isso tem vários amigos. Ele não aceita. Ela tampouco aceitaria se fosse ao contrário. Também não abre mão.
"Até onde vai esse jogo?" (Ela quer saber). Porque hoje, não teve sapiência pra decidir de vez. E ele passa a sensação de também não se importar. Moram em estados tão longe que talvez tenham outra coisa para se preocupar.E pensar que era onde ela queria morar antes de conhecê-lo. Aquele frio de outono a encanta. As paisagens, fascinam. E hoje, ela não pensa mais em voltar... E vira na cama e acredita que essa situação está piorando sua dor de cabeça. E tenta dormir para achar que isso é só um pesadelo. Que amanhã não haverá gripe, brigas e quem sabe, nem namoro. Mas tenta dormir pensando por que fora a Porto Alegre... a principal razão disso tudo: Ele a fez esquecer.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Carta ao Belo Amigo Lord


Gritos de dor invadem meu peito. Sinto-me como se tivesse sendo aprisionada dentro de minha própria jaula...Um sofrimento inadequado para uma vida cheia de mistérios e prazeres.
O sol sempre brilha para indicar-nos os mais belos caminhos a serem seguidos e vividos. Mas são também nesses caminhos - dos quais surgem as mais belas flores - que esbarramos em espinhos.
Uma emoção enorme toma meu corpo quando encontro contigo. Ainda não tive oportunidade de lhe admirar nessa turbulenta semana. Mas de tudo farei para chegar no local que lhe serve de ninho e o abriga tão confortavelmente.
Então, como me diz, sentires que como eu, não estás nada sentimentalmente bem. Perguntas nos tomam a mente, respostas tentamos encontrar mas somos derrotados... Encararemos, amigo Lord, isso juntos! Adornaremos as ruas dessa metrópole... Seremos mais uma flor e cravo de nossas praças.Uma performance a caminhar pela noite.
Laços foram desfeitos, sabes você. Sinais de dor persistem. Lembrais do nosso diálogo? Sim, sim...a vida é o que é e não o que o coração das pessoas desejam. Prazer e dor tramam a existência. Pulsão de vida e de morte enlaçam vivências. Penso então que meu coração não poderás ser meu refúgio, pois tomarei decisões ocultas, belo.
No mais, seremos apenas mais duas almas neste local, misterioso,o mundo, e talvez seguiremos nosso caminho futuro juntos. Equilibraremos nossos desafios, fracassos e sucessos. cada um com cada qual, meu Lord, mas estaremos sempre eu e você.
A tua felicidade me contagia, portanto não mais lágrimas em nossos rostos, em nossos corações. Como sabes, admiro os anjos e sei que souum ser "iluminado" graças a esses amigos de asas, então ficaremos bem e a Lua (outra admiração minha) e estrelas estarão as nossos pés.
E sobre o fato inesperado que lhe disse, dúvidas vagam a minha mente e então a decisão a tomar não me é ainda reconhecida! Sei que não estou pronta para amar loucamente, mas dessa vez é como aquela chuva que pinga algumas gotas somente, embora ameace tempestade. Não é definitivo. Serei muito grata à ele por isso. Faço questão que o admire. A opinião de meu Lord me incentiva.
Se desejares falar comigo antes de nos olharmos, estarei em meu canto descansando minha mente e energizando meu corpo mortal. Teremos encontros outros,felicidades fascinantes.
Você merece ser feliz, muito feliz.

Com uma ternura minha,

Beijos, Menina Ruiva.

domingo, 3 de maio de 2009

A Flor da Pele


AS vezes queremos escrever para mostrar ao mundo nossa felicidade e contentamento. E outras vezes, as tristezas. Sinto Muito. Mas hoje não estou completamente feliz. Tenho saudade, mais uma vez. Incrivel eu não aceitar pessoas importantes longe de mim. Não quero que se vão. Não quero que viajam se eu não puder tê-los de volta. Sabem vocês do Rafael e hj eu sinto uma Put* saudade dele. Cheguei em casa há pouco e junto, um enorme aperto no coração e sentimento transbordando nos olhos. Como faço para não me sentir triste?


****

Esse post era somente ao Rafa, mas não posso deixar de tagarelar sobre um outro acontecimento. Não vou falar abertamente e sim por entrelinhas. *** Não irá ler, mas... nunca se sabe!

"Não espero nada e nem nunca esperei. Não quero nada e nem nunca pensei em querer contigo. Sou o que sou. Sempre tento ficar bem com todos. Não acho certo também me abrir em um blog, mas me sinto melhor assim. Sempre. E tô nem ai. No mais português xulo de um escritor. Não encontrei quem quero e não procurei. Não pense que seja você em meus pensamentos sendo que meu único sou eu. Egocêntrica? Talvez, mas prefiro pensar em mim antes de ir de cara a parede e me deformar mais. Não espero nada de ninguém. Espero de mim. E por minha parte, não espere nada para ti. Não há guitarra que toque meu Rock, não há cerveja que me faça rir mais que tal dia. Não há remédio que me faça lembrar nem máquina que volte ao tempo. Ainda bem. Pois foi engraçado. E se tivesse momentos como tal, seria normal. E foi algo quase que de Marte. Não tem necessidade de bloqueios. De sumiços. Não sou quem você pensa. Tampouco quem você possa imaginar depois de tudo isso. Meu erro (ou não) é sempre olhar quem ainda estava no saco do pai quando então eu já estava no mundo. Enfim, perto de uma mulher são só garotos. Um dia você chega onde cheguei. Não um lugar fora do normal, mas sim um lugar real."

domingo, 26 de abril de 2009

(In) certo


Hoje, ela pensou em vê-lo, em chamá-lo para sair e conversar. No tempo havia neblina e a manhã fria precisava de aconchego. Entretanto, a menina não pensava em ligar. Enquanto ele acordava de um sono inseguro com o pensamento nela.
Desde o último encontro, se olharam sôfregos, lânguidos e a impressão final não foi das melhores. Por que, então, neste exato momento um pensava no outro?
Seria o costume ou a falta?

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Amigos Não Deveriam Morrer


Foi um susto. Ainda estou com as mãos trêmulas, as pernas bambas , o coração apertado e os olhos cheio de lágrimas. Torcendo pra ser mentira. Mas infelizmente não é. Fui te dar parabéns. Te desejar muitos anos de vida e saúde. Muitas cervejas geladas e feriados. Do jeito que vc gosta. Tentei te ligar. Não consegui. “Talvez esteja em Brasilia”, pensei. Então fui até teu orkut. Os votos de felicidades estavam tristes. E eu não sabia. Como vc se foi e não fiquei sabendo a tempo de ir me despedir? Veio à minha memória todos os momentos que passei ctg. As altas conversas no msn, os seus sorrisos (nunca escondi que vc tinha o sorriso mais lindo de todos os guris!), as suas histórias de festas e baladas, o seu alto astral... e até da sua cantada... que tb foi a mais bacana de todas! Sim, sempre falo...” O Rafael foi um cara que me levou pela cantada. Foi original. Foi engraçada.”Ninguém te supera a isso. Ninguém supera teu sorriso. Ainda posso sentir seu cheiro. Ainda posso escutar sua gargalhada e até mesmo sua bronca qdo te deixei plantado me esperando. Desculpa! Lembro-me qdo tentamos ficar juntos. Você tinha que voltar pra Brasilia e eu não podia pedir pra ficar. As mensagens que tu me mandava no cel, me deixando feliz só pq vc dizia que sentia minha falta. E eu queria muito te dar um abraço! E eu queria muito que vc me pegasse no colo mais uma vez. Nem que de novo, fosse no meio da rua. Ainda quero. E daí vc voltou pra Minas. Lembro-me da nossa última conversa. Você me disse que me viu passando na rua. E que seus amigos mexeram cmg e eu me fiz que não vi. E vc disse que pediu pra eles pararem pq eu era a sua amiga Ruiva. Eu não te vi, realmente. E então vc fala:” Você continua linda. Queria ter voltado a tempo de Brasilia.”. E eu queria poder ter pedido pra vc nunca ir.

Ta dificil segurar onda, guri. Ta dificil pensar que nunca mais vou te ver. O fato de não termos amigos em comum e eu não ficar sabendo da sua viagem a tempo, me deixa mais triste. Há um mês! Bem estranhei que não aparecia no msn mais. Que eu não recebia mais scraps teu por depoimento.

Pq essa merda de acidente? Pq teu amigo dormiu no volante? Pq tu estava sem cinto de segurança? Espero de coração e do fundo da alma que tenha sido rápido o suficiente pra que tu não tenha visto e nem sentido.
Queria muito vc de volta. Aqui, me fazendo rir. Me “tentando”. Me enrolando. Não sei como sua familia está , não sei como reagir, não sei como segurar mais uma barra dessas. Peço a você que me dê conforto. Que me faça sentir abraçada por ti. Que não me deixe fraquejar. Que não esqueça de mim assim como nunca me esqueci de ti. Que apareça em meus sonhos só pra eu matar a saudade...

Rafa... Fael... Rafa Lindo...seja como for. Não dá pra acreditar. Ainda não. Você não. Queria muito escrever mais pra ti. Mas não consigo. To engasgada. Querendo gritar, chorar e pedir que me acordem. Como posso continuar feliz sabendo que vc não está aqui? Não precisava falar com vc todos os dias, pq sabia que estaria ali. Sabia onde te encontrar. Agora, faço oq? Como vou obter respostas? Como vou saber que tu está rindo das nossas conversas?
Dói muito. E acredito que vou precisar muito de força. Na verdade, queria você. Sempre amigo, sempre rindo, sempre lindo! Pra sempre. Te amo. Fica com Deus. E não me deixe sozinha.

"NINGUÉM MORRE ENQUANTO PERMANECE VIVO NO CORAÇÃO DE ALGUÉM!"
Rafael Alves Soares, 21 anos.

domingo, 29 de março de 2009

Laços



Essa foi a semana em que acordei com um aperto no coração. O por quê? Ah... Recebemos a notícia por telefone que meu pai seria transferido devido ao trabalho, para outro estado. Para muitos esta notícia pode soar normalmente, mas para mim foi um desastre.

Meu grande pai! Sou louca por ele! Não só por ser o meu pai, mas pela afinidade que temos. É ele que me ensina matemática e as 'manhãs' do autocad! Se quero alguma coisa diferente, que não encontrei, eu desenho, imagino, descrevo e vai o pai fabricar! E se algo que amo muito estragou e tem um jeitinho de dar uma consertada e ficar novinho " paiêê, você dá uma olhadinha...?", e ele, o Jorge Luiz, sorri e arruma! Nunca tem tempo ruim.  Exceto, quando chego bem de madrugada em algum final de semana, com umas duas cervejinhas a mais ou se não atendo o celular (porque realmente o som estava alto e o celular na bolsa... Oras!). Nessas ocasiões, quando chego nas pontas do pés, ele faz questão de dar uma tossida que serve como oração: Larissa, me acordou. Isso são horas, menina? (ou melhor: isso são horas para uma menina?).

Desde criança eu tinha mania de segui-lo e a oferecer ajuda, então aprendi com ele, meu pai, algumas coisas que poderiam parecer inúteis, mas que para mim funcionam perfeitamente, como: desentupir bomba de caixa d'água (algo que meus irmãos não sabem e que a minha irmã, também não faria). A como trocar o pneu do carro, num dia de chuva  na BR 040, o pneu furou com toda família a bordo (e la fui eu me interessar... Creio que quis mais sair do carro para tomar chuva com ele e aproveitar o momento). Com ele, gostava de sentar no passeio e ajudá-lo a lavar o carro, em alguns sábados, mesmo que fosse apenas para eu ficar a molhar meus pés com a mangueira enquanto ele fazia todo o resto.

Juntos plantamos um pé de ipê amarelo em frente a casa. Orgulho de todo dia passar por ele e ver que está maior que do eu. 

Meu pai é sensacional! Certa vez, quando morei fora, ele me ligou de manhãzinha, no intervalo da aula e conversamos durante uns dez minutos dando gargalhadas. Quando desliguei, um colega  perguntou  quem era, respondi “meu pai!”.  Ele logo arrematou “nossa, mas você conversa com seu pai assim? Desse modo???  Eu não... Quem dera...” Respondi dizendo “assim como? Ué! Sempre conversamos assim, assim, sim...”.  Então, eu tenho mais é que agradecer aos céus nosso companheirismo. Essa amizade entre mim e meu pai que transcende a matéria.

Ele tem um sorriso bom! Ele tem os olhos azuis e o brilho deles são de bondade. Ele lia para mim na infância e me contava histórias inventadas por ele (deve ser por isso que agora, relendo este texto escrito em 2009, cinco anos depois, percebo que faço o mesmo com minhas sobrinhas).   Passeava de bicicleta comigo e quando o meu irmão me 'tomou' o lugar de caçula, meu pai, logo deu um jeitinho de colocá-lo na frente e eu na garupa da mesma bicicleta. 

Ele me fez acreditar em Papai Noel,  bruxas, fadas, potes de ouro embaixo do arco-íris e salamandras! Como também me mostrou que as coisas conseguidas de forma muito fácil geralmente acabam no desinteresse. Daí, faltará o valor do esforço despendido. 

Algumas vezes nos sentamos na varanda e conversamos sobre a nossa cidade, meus irmãos, livros, filmes, meus estudos, sobre a falta de humanidade, corrupção, violência ... Outras vezes sentamos na varando à noite para tentarmos ver satélites e o Cruzeiro do Sul. E ficamos lá por horas. 

Minha mãe diz que quando estamos juntos ela não consegue ouvir nenhum programa, que falamos demais e muito alto! Todavia, ela gosta desses momentos, pois estamos sempre reunidos. E os olhos dela brilham.
  
Semana dessas,  brincamos de campeonato de cuspe. Minha mãe bem que reclamou (consigo ver o rosto dela, quase nos xingando - risos), dizendo um “que nojento”...  Enquanto nós dávamos gargalhadas da varanda e a chamávamos para participar também! Coisa que ela nunca faria!

Por essas e outras, foi que na terceira – feira eu tive um acesso de choro. Bem que tentei não chorar, pois pra ele que ia, seria bem pior, afinal o restinho da família estaria  junta. Eu o abracei bem forte, com os olhos vermelhos e ele brincando disse “quer ir comigo, Lala?” É lógico que eu gostaria! Mas completou: “você tem que tomar conta da casa, da sua mãe e dos meninos... Você é a mais esperta deles!” E  piscou!  Eu sorri... Mas nada disso aliviou a partida. Eu fiquei na porta da rua, de pijama, esperando o carro virar a esquina... E cruzando os dedos para que rapidamente ele regressasse. 



PS: cinco anos depois continuamos a nos sentar na varanda em minhas férias. Continuamos a nos telefonar quase todos os dias. O pé de ipê está muito maior do que eu e suas flores amarelas são lindas. Plantamos um bouganville bonina que também é maior do que nós dois agora. Nossa família cresceu mais um pouco e sempre que estamos reunidos marcamos a altura de minhas sobrinhas, suas netas, no batente da porta da sala, onde tem as alturas de todos os que amamos.  (10/08/2014)

sexta-feira, 20 de março de 2009

Minha Vida de Menina


Gente! Pasmem... estou ficando velhota!! rsrsrs...
Mas tipo assim, me peguei relembrando as festinhas de aniversário que tive durante esses anos todos e lembrei de tudo como se fosse ontem... não é possivel que estou chegando aos 24 anos assim tão rápido! Até as roupinhas eu lembro! E do meu aniversário de 3 anos, posso sentir o gosto do vestidinho da Hello Kitty que era o bolo...Tão saboroso! E na festinha de 4 anos os bombons foram os melhores! Não tem como...  Acho que cheguei na crise dos 20 um pouco mais tarde. E olha que não fiz nem 1/3 do que quero. Formei no que amo, mas ainda não trabalho. Não sou independente e não fico sozinha por muito tempo.
"Ter vinte e poucos anos..." Isto é chamado de "crise de um quarto de vida".
É quando você pára de sair com a galera e começa a perceber muitas coisas sobre você que você mesmo não conhece e pode não gostar disso. Você começa a se sentir inseguro e pensar sobre onde você vai estar daqui a um ano ou dois, mas de repente se sente inseguro porque você mal sabe onde está agora. Você começa a perceber que as pessoas são egoístas e que, talvez,
aqueles amigos que você pensou que eram tão próximos não são exatamente as melhores pessoas que você encontrou em seu caminho, e pessoas que você perdeu o contato eram algumas das mais importantes. O que você não consegue perceber é que eles percebem isso também, e não estão sendo frios,grosseiros, ou falsos, mas estão tão confusos quanto você. Você olha para seu emprego...e não é nem perto do que você imaginava que estaria fazendo, ou talvez você esteja procurando emprego e percebendo que vai começar do zero e isso pode te assustar. Suas opiniões se tornaram mais fortes. Você vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando mais do que o usual,porque você percebe que desenvolveu certos limites na sua vida e está constantemente adicionando coisas na sua lista do que é aceitável e o que não é. Em um minuto, você está inseguro e no próximo, seguro. Você ri e chora com a maior força da sua vida. Você se sente sozinho, assustado e confuso. De repente, a mudança é sua maior inimiga e você tenta se agarrar ao passado com a vida boa, mas logo percebe que o passado está cada vez mais longe, e não há nada a se fazer a não ser ficar onde está ou caminhar para a frente.
Você tem seu coração quebrado e pensa como alguém que você amava tanto pôde causar tanto estrago em você. Ou você fica deitado na cama e pensa por que você não poderia encontrar
alguém decente o suficiente que você queira conhecer melhor. Ou às vezes você ama alguém e ama outro alguém também e não consegue imaginar porque você faz isso, já que você sabe que não é uma má pessoa. Ficar com alguém por uma noite ou galinhar começam a parecer ridículos.
Agir como um idiota se torna patético. Você sente as mesmas coisas e enfrenta as mesmas questões de novo e de novo,e conversa com seus colegas sobre as mesmas coisas porque você não consegue tomar decisões.
Você se preocupa sobre empréstimos, dinheiro, o futuro e construir sua
própria vida...e enquanto ganhar a corrida seria maravilhoso, neste  momento você gostaria apenas de participar! O que você pode não perceber é que
todos que lêem isso encontram algo em comum.
Estamos em uma das melhores e piores épocas da vida, tentando o
máximo que podemos acabar com isso."




quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Não perca tempo!


É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.
É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,
Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos
Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente qdo necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não te importam,
Ser gentil só para que se lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,
Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro

(Pablo Neruda)


Pessoas, nesse Carnaval, erspero que todos tenham aproveitado como queriam. E quem não aproveitou, comece já um Carnaval fora de época e seja Feliz! Só não bebam Steinhaeger com cerveja... percebi sim que é verdade aquela letra da música do Tianastácia (Cabrobró)... FAZ PIRAR!

E como não podia deixar de ser... FELIZ ANO NOVO! Agora nosso ano letivo começa de vez!!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Ser ou não ser...


OBJETIVO:

adj.,relativo a objecto;que tem realidade fora do nosso espírito; que se fundamenta na experiência; que trata apenas do objecto, da questão em si, sem misturar ideias ou sentimentos pessoais; s.m.

alvo ou fim que se quer atingir;

objecto de uma acção ou ideia; propósito; intuito.


SONHO:s. m.,conjunto de ideias e imagens mais ou menos confusas e disparatadas, que se apresentam ao espírito durante o sono;utopia;ficção;fantasia;visão;aspiração.

 

Comecei bem né? Mas sinceramente essa diferença entre os siginificados dessas duas palavras são mais pra mim do que para qualquer outra pessoa que posssa aparecer e ler isso aqui. Vejamos: Tenho sonhos e objetivos. Normal. Até aí acho que todo mundo tb tem. O que tb me difere da normalidade talvez seria que: Alguns sonhos não mais serão sonhados tornando-se objetivos e alguns objetivos não mais serão alcançados tornando-se sonhos. Daí me perguntam: " mas por que?!?!

 Simples...Cansei! Cansei de lutar contra e a favor. Cansei de colocar na minha cabeça que é isso que quero qdo na verdade, a realidade me mostra que não. Que eu não voltaria a fazer o que sempre neguei, mas recebo uma tal proposta que me deixa animada e ao invés de negar, tenho a burrice de aceitar. Mas por via do destino não mais aconteceria.Ah..só pra variar né?! 

Perai: então quer dizer que o que eu sonhava eu não tenho e o que tinha como propósito ainda não veio e tá com cara de que não mais chegará. Ai! Muita ficcção pra uma vida só! Tudo tão extremamente dificil! Por que minhas escolhas são sempre as mais complexas? Cadê aquele FdP de Freud que explica tudo? Se até Nietzsche chorou ao seu encontro quem dirá eu?

Bom não to aqui para filosofar...até pq a essa altura acho ja que ja deixei meio mundo deprimido! É.. assim estou....de saco cheio de sonhar...de ter objetivos e correr atrás em vão. De saco até entupido!E assim sendo, pergunto a mim mesmo já sabendo que não terei respostas: "O que vai fazer da vida nessa altura do campeonato?"Me joguei ao léu! E quem quiser que conte outra! Que o circo pegue fogo porque a palhaça cansou. Aposentou.

Acho muito radicalismo da minha parte. Mas hj estou deprimida. Me dei esse luxo sim! Ainda posso fazer muita coisa! Só tenho que aceitar fazer. Pois oq realmente amo, está muito mais do que nas nuvens.... 

Torçam por mim!

 

domingo, 25 de janeiro de 2009

Um passo por vez, a bailarina sempre encontra o soldadinho de chumbo





Ele a encontrou quando ela ainda era uma menina. A verdade é que dela ele cuidou, com olhares apreensivos, como se zela criança que cresce solta correndo por entre o coreto da cidade do interior. Fazendo um favor a seus dois amigos que às vezes sumiam e o pediam para ficar somente vigiando a garotinha. Ele cuidou. Ela o achava bonito. Ele ficava longe, mas com os olhos próximos.


Os anos passaram. A menininha não precisava ser cuidada (ou achava isso). Eles se viam e se cumprimentavam nas férias. Às vezes, com um abraço desajeitado contudo, sempre com um sorriso. Depois ela parou de vê-lo, ou ao menos havia se esquecido de se lembrar dele e quando deu por si era carnaval. A garota já tinha idade para sair sozinha, sem que os primos e irmãos cuidassem (totalmente) ou desde tal momento não precisaram mais pedir ao amigo para que lhe quebrassem o galho.


Foi neste carnaval que seus olhos se encontraram pela primeira de muitas vezes. Com este encontro veio incluído o sorriso de tempos atrás, o interesse por saber como ela estava, o que fazia. Havia crescido e ele sabia disso e não conseguiu desviar sua atenção dela e nem deixou que a desviassem dele também. O primeiro beijo se concretizou. Tímido, prazeroso, escondido, roubado, tremido. Perto da igreja iluminada. Pois para quem vive em cidade histórica barroca compreende que em toda parte a qual se vai há um monumento desses velando por tudo. E a história dos dois ali se fundiu.


Tempos depois tiveram vários outros encontros. Esses vieram sem serem marcados, sem data, local e hora. Ele dizia que todas as vezes que vinha de férias pensava nela. E ela, por mais que tivesse conhecido outros garotos, quando se esbarravam esquecia-se do mundo a volta, das outras possibilidades e confiava no garoto de braços bem torneados, de tatuagem de dragão e de calos nas mãos bem cuidadas.


Vários foram os encontros e tantas mais as despedidas. A pior surgiu em um ano quando ele veio lhe dizer que mudaria de país. O chão dela ficou tortuoso e seu desejo era o de voltar a ser aquela garotinha para que não precisasse fitá-lo diretamente. Longe... Tão longe assim... Como seria?!? Não, não seria. Seguiriam suas vidas, simplesmente. Desta vez eles não puderam dizer até as próximas férias. O garoto de cabelos vermelhos embarcou. Com o coração aos pulos e a garganta doendo ela ficou. Aceitou. Decididamente.


Dois anos passaram sem que houvesse notícias. Havia o esquecido, afinal, amor mesmo não podia ser. Sua mãe, em um dia de verão, chegou em casa e disse algo sem pretensão (pois nem ela sabia de tal romance): "encontrei a mãe dele, ficamos conversando... se casou no estrangeiro". As últimas palavras soaram como eco em seu ouvido. Sorriu, sem graça, talvez. Mas sorriu. Decerto...


Logo veio outro carnaval. Este decididamente seria um bom feriado. Em frente a um bar, ameaçando chover na noite, a garota olhou adiante e seus olhos se esbarraram. Não, ela não quis acreditar! Não podia estar apenas imaginando. No entanto sua prima percebendo o que se passava falou: "cabelos assim, ruivos, se não forem os meus, são os dele. E eu estou aqui, ao seu lado. E você está vendo." Talvez ela nem escutasse mais. E os passos iam se aproximando dos seus pés pressos ao chão. E o seu coração gritou com batimentos ferozes. Ele estava ali na frente dela, pronto para dar lhe um abraço apertado. E antes de dizer algo, o garoto a enlaçou o mais forte que pôde e mais como um suspiro ouviu "menina". Sim, continuava sendo a sua menina.


O barulho de todo um carnaval fez-se silêncio em seus lábios. Posteriormente foi dito que não se fica casado pensando na mesma garota desde a infância dessa. E a afeição que ela julgava desaparecida emergiu mais uma vez. Contudo restava outra partida. E assim a passos pequenos ficava cada vez mais difícil dizer até breve.


Em um inverno ela voltou para casa de férias. Na primeira noite a menina tirou de dentro do armário uma blusa de frio. Dele. Dormiu com ela. Sentiu-se confortável. Dia seguinte resolveu checar seus e-mails e dentre vários havia um único nome que a deixava sem ar, dizendo em curtas palavras "estou no Brasil e quero te encontrar, se você também quiser". Foi o inverno mais tórrido que passaram. Naquele julho agosto descobriram que independente do tempo que partilhavam era impossível não sentir falta.


No ano seguinte ele a surpreendeu ao voltar para o Natal. O coração dela ultrapassava boas batidas de maratonistas e quanto mais se aproximavam mais frio na barriga sentia. Ao se tocarem, a outra parte, sentiu o mesmo. Embora acostumados a tudo aquilo o último dia dos dois como disseram valeu por todo um ano. E em uma noite típica de verão ele disse que a amava. Assim, fácil, como se dissesse obrigado. Repetiu e concluiu dizendo que era para a menina dele aproveitar o ano que começava. Para fazer tudo o que ela tinha direito, pois quando ele voltasse, se continuassem dessa forma era a certeza que o garoto de cabelos marrons (não eram tão mais ruivos...) aguardava. Há anos a gente está junto. Toda vez que venho... A gente vai casar... é a gente vai casar... e eu volto daqui a um ano e meio, menina. Ela paralisada sem saber se expressar. Sim, vamos nos casar... E ficaram a fazer planos, abraçados, felizes como nunca. Ela somente perguntou: o que você viu em uma garota de 14 anos? Ele somente respondeu: O mesmo que continuo vendo nela 8 anos depois.


Eles não sabem, porém, um dia não mais terão que se despedir. Os dois por várias provas passaram. Conheceram e conhecerão diversas pessoas. Mas nenhuma as completam tanto. Ninguém os faz ter tremores de roda gigante e coração palpitante somente por pensar no mínimo detalhe. A diferença da idade não mais parece nem interfere. Ela por toda uma vida será a menina dele. Ele por todo um sempre será o garoto dela.


E nesta semana ele ligara dizendo que comprou sua primeira panela de pressão e está a aprender a cozinhar. Ela achará aquilo a coisa mais linda do mundo e lembrará das últimas palavras dele "não esquece de mim não, menina..."


segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

E Que Sejamos Livres Para Ser o Que Somos!


Feliz 2009!! Antes tarde do que nunca! Idéias novas espero pra nosso blog! Desejo a todos muita coisa boa, sabedoria, sucesso, feriados prolongados, dias na praia com bastante sol, amigos verdadeiros, paixões avassaladoras, noites frescas e estreladas, viagens divertidas, passeios de balão, pisar mais vezes descalço na grama...enfim! E só pra vcs entenderem o melhor de um ano novo, vou colocar aqui um texto muito conhecido, mas como estamos no inicio de janeito, é bom relembrar-mos das coisas ditas nele..e ai vem...: FILTRO SOLAR!

Não se deixe levar pelo tamanho do texto, vale a pena ler..muitos sabem o quanto ele é revigorante!


Nunca deixem de usar filtro solar! Se eu pudesse dar uma só dica sobre o futuro,seria esta: use filtro solar. Os benefícios a longo prazo do uso de filtro solarestão provados e comprovados pela ciência; já o resto de meus conselhos não tem outra base confiável além de minha própria experiência errante. Mas agora eu vou compartilhar esses conselhos com vocês.
Aproveite bem, o máximo que puder, o poder e a beleza da juventude. Ou, então, esquece... Você nunca vai entender mesmo o podere a beleza da juventude até que tenham se apagado.
Mas, pode crer, daqui a vinte anos, você vai evocar as suas fotos eperceber de um jeito - que você nem desconfia hoje em diaquantas tantas alternativas se lhe escancaravam à sua frente,e como você realmente tava com tudo em cima. Você não é tão gordo(a) quanto pensa! Não se preocupe com o futuro.Ou então preocupe-se, se quiser, mas saiba que pré-ocupaçãoé tão eficaz quanto mascar chiclete para tentar resolver uma equação de álgebra.
As encrencas de verdade de sua vida tendem a vir de coisas que nunca passaram pela sua cabeça preocupada, e te pegam no ponto fraco às quatroda tarde de uma terça-feira modorrenta.
Todo dia enfrente pelo menos uma coisa que te meta medo de verdade. Cante. Não seja leviano com o coração dos outros. Não ature gente de coração leviano.
Use fio dental. Não perca tempo com inveja. Às vezes se está por cima,às vezes por baixo. A peleja é longa e, no fim,é só você contra você mesmo. Não esqueça os elogios que receber. Esqueça as ofensas. Se conseguir isso, me ensine.
Guarde as antigas cartas de amor. Jogue fora os extratos bancários velhos. Estique-se. Não se sinta culpado por não saber o que fazer da vida .As pessoas mais interessantes que eu conheço não sabiam,aos vinte e dois, o que queriam fazer da vida. Alguns dos quarentões mais interessantes que conheço ainda não sabem.
Tome bastante cálcio. Seja cuidadoso com os joelhos. Você vai sentir falta deles. Talvez você case, talvez não. Talvez tenha filhos, talvez não. Talvez se divorcie aos quarenta, talvez dance ciranda em suas bodas de diamante.
Faça o que fizer, não se auto-congratule demais, nem seja severo demais com você. As suas escolhas tem sempre metade das chances de dar certo. É assim pra todo mundo. Desfrute de seu corpo.Use-o de toda maneira que puder. Mesmo. Não tenha medo de seu corpo ou do que as outras pessoas possam achar dele. É o mais incrível instrumento que você jamais vai possuir. Dance. Mesmo que não tenha aonde além de seu próprio quarto. Leia as instruções, mesmo que não vá segui-las depois. Não leia revistas de beleza. Elas só vão fazer você se achar feio.Dedique-se a conhecer os seus pais. É impossível prever quando eles terão ido embora, de vez.
Seja legal com seus irmãos. Eles são a melhor ponte com o seu passadoe possivelmente quem vai sempre mesmo te apoiar no futuro. Entenda que amigos vão e vem, mas nunca abra mão de uns poucos e bons. Esforce-se de verdade para diminuir as distâncias geográficase de estilos de vida, porque quanto mais velho você ficar, mais você vai precisar das pessoas que conheceu quando jovem.
More uma vez em Nova York, mas vá embora antes de endurecer. More uma vez no Havaí, mas se mande antes de amolecer. Viaje. Aceite certas verdades inescapáveis: Os preços vão subir. Os políticos vão saracotear.Você, também, vai envelhecer. E quando isso acontecer, você vai fantasiar que quando era jovem,os preços eram razoáveis, os políticos eram decentes,e as crianças, respeitavam os mais velhos. Respeite os mais velhos. E não espere que ninguém segure a sua barra. Talvez você arrume uma boa aposentadoria privada. Talvez case com um bom partido. Mas não esqueça que um dos dois pode de repente acabar.
Não mexa demais nos cabelos senão quando você chegar aos quarentavai aparentar oitenta e cinco. Cuidado com os conselhos que comprar,mas seja paciente com aqueles que os oferecem.Conselho é uma forma de nostalgia. Compartilhar conselhos é um jeito de pescar o passado do lixo, esfregá-lo,repintar as partes feias e reciclar tudo por mais do que vale.
Mas no filtro solar, acredite!

Moon of the Day