quinta-feira, 4 de junho de 2009

Sensatez


Olhou-se no espelho, contemplou a face - abatida -  seus tumultuosos olhos se desesperaram calados. Há muito não sabia onde tinha chegado e nem porque havia deixado aquela mão lhe conduzir.
Seus olhos suportavam as dores de todos pesadelos e na mesma semana ouviu dizer que escondiam almas e quase podia acreditar no que diziam. Como seleção natural, conseguia controlar o brilho que doía e por fora era como se sorrisse incessantemente.
Dos lábios não houveram gritos nem lamentos, como também deixou-se de dizer das satisfações. Era como se uma barreira invisível e muito forte estivesse ali: entre o ser e a imagem.

3 comentários:

  1. Ela já não mas se reconhece....

    Adorei!! De uma delicadeza imensa...
    bjos...
    k

    ResponderExcluir
  2. Ela as vezes precisa girar em torno dela, para nunca se perder do seu proprio ser.

    "Basta ter um ponto de vista otimista

    E transformar o nada em tudo,

    O pouco em muito,

    Mudar o conteúdo da cena

    E fazer o tédio valer a pena."

    ResponderExcluir

Antes de sair de Marte, tente uma comunicação!

Moon of the Day