sábado, 26 de abril de 2014

Para meu irmão


"Mas as coisas findas 
muito mais que lindas,
essas ficarão"


Meu agridoce Abril, tu sempre pegando peças em meu coração. 

Ontem, estávamos "quase" todos juntos em dois carros (meus pais, irmãos, cunhado e sobrinhas) indo fazer um passeio em Tiradentes. Saindo do trevo de Prados, um ônibus surgui em nossa frente e todos devem ter tido a sensação semelhante a que eu tive: primeiro, um aperto no peito; segundo, um sorriso nos lábios; terceiro: os olhos brilhantes por algumas lágrimas que a gente tenta disfarçar. Então, minha mãe foi a primeira a dizer que todo ano, ela e meu pai sempre estão em um lugar diferente nesta data e nunca é algo planejado e que isto deveria ser coisa d'Ele. Eu sorri e tentei disfarçar o tom (quando a gente sente um bolo na garganta e se sente pequenininho). 

Lembrei-me daqueles olhos azuis claros, daquele cabelo preto macio, daquele sorriso brilhante, daquelas mãos bonitas e de nossas conversas. Pensei ainda que, sendo ontem, ele me pediria para fazer pizza pra ele hoje. Sempre fazíamos em seu aniversário (porque ele sempre me pedia a mesma coisa  e eu gostava de testar meus "dotes" culinários). Pensei num abraço apertado que ganhei num dia, na porta de nossa casa, quando eu estava chorando (e olha que isso eu não costumo fazer na frente de ninguém) e ele falou "esquenta com isso não, Lalá". Vi os seus desenhos. Vi Branca e Minotauro. Vi seu Skate. E quase cheguei a sentir o seu perfume. 

Neste ano, ainda você é mais velho do que eu. Acho que nunca vou querer ultrapassar a sua idade... Ainda você é (e sempre será) muito melhor do que eu. E como não poderia deixar de ser te envio o meu melhor abraço, o meu melhor sentimento e o meu melhor carinho. E se eu te dizer "Deus te proteja", sei que Ele o está e que você se encontra muito mais perto d'Ele do que eu. 

Ontem o nosso carro estava completo. Creio que esses pequenos acasos do coração são alguns "descuidos cuidados" que a Vida nos proporciona para nunca perdermos a fé. E pode durar o tempo que for, acredito que ainda nos daremos outros abraços apertados outra vez, meu doce irmão. 

E como eu sempre disse  e guardei comigo "as pessoas não morrem, ficam encantadas". E você para mim está assim, além de jovem e belo. Te amo, Ju.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de sair de Marte, tente uma comunicação!

Moon of the Day